Jornalismo não pode participar de atos ilegais para obter informações

Segundo Carlos Eduardo Lins da Silva, a missão do jornalismo deve ser a mais transparente possível

Como os documentos vazados devem ser tratados pelos jornalistas? O jornalista e professor Carlos Eduardo Lins da Silva afirma ser este um dos problemas éticos mais antigos do jornalismo.  Para ele, o jornalismo não pode participar de atos ilegais para conseguir informações. “Mas se as informações são obtidas de forma ilegal e chegam ao jornalismo, isso não é impeditivo da sua divulgação, se for de interesse público. O que o jornalismo tem que fazer é checar se as informações são corretas para serem publicadas em caso de interesse público”, esclarece.

O ideal para o jornalismo é não precisar de informações off  the records. Lins da Silva explica que o jornalismo se fortalece se toda a sua missão é cumprida quando as fontes se identificam e os dados são obtidos sendo revelados ao público com transparência, “mas nem sempre isso é possível”, pontua.

Ouça no player acima a íntegra da coluna Horizontes do Jornalismo.


Horizontes do Jornalismo
A coluna Horizontes do Jornalismo, com o professor Carlos Eduardo Lins da Silva, vai ao ar toda segunda-feira às 9h00, na Rádio USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção  do Jornal da USP e TV USP.

.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •