Japão cria “Ministério da Solidão” para lidar com aumento de taxas de suicídio na pandemia

O novo Ministério entende a solidão como um dos fatores de risco para desenvolvimento de transtornos mentais e para o suicídio no contexto pandêmico

 13/05/2021 - Publicado há 6 meses
Por
Os efeitos da pandemia impactaram diretamente a saúde mental dos japoneses – Foto: Reprodução

Durante a pandemia, a taxa de suicídio no Japão teve a primeira alta em 11 anos. Ao todo, foram registrados cerca de 21 mil suicídios, sendo as mulheres e estudantes as principais vítimas, informam dados do governo japonês divulgados pela revista Nikkei Asia. A preocupação com a saúde mental da população levou o governo daquele país a criar um Ministério da Solidão, responsável por criar campanhas e políticas públicas voltadas aos cuidados com a saúde mental e prevenção do suicídio. O órgão também se responsabiliza pelos cuidados voltados às pessoas que vivem sozinhas. Designado pelo primeiro-ministro japonês, Tetsushi Sakamoto assumiu o cargo.

Os efeitos da pandemia impactaram diretamente a saúde mental dos japoneses. Quem explica é o psiquiatra Rodrigo Fonseca Martins Leite, do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. “Por conta de uma série de fatores e, certamente, no contexto da pandemia, houve um descuido geral da saúde de toda a população japonesa.”

Conforme o psiquiatra, o aumento dos suicídios no Japão entre as mulheres e estudantes pode ser decorrente da alta taxa de desemprego, da crise econômica, do machismo estrutural do país e dos altos níveis de exigência. Apesar de serem já presentes na sociedade japonesa, esses fatores foram ampliados durante a pandemia. “É possível inferir algumas razões, principalmente a questão do desemprego, das dificuldades econômicas e do alto nível de exigência da sociedade japonesa, além do caráter patriarcal e machista da cultura japonesa”, afirma o psiquiatra.

Martins Leite acredita que a saúde mental precisa ser vista como um assunto de Estado. Políticas públicas para cuidar dos impactos psíquicos em populações vulneráveis são essenciais para garantir a qualidade de vida da população. A criação do Ministério da Solidão no Japão demonstra a estratégia e o cuidado com a problemática, entendendo a solidão como um dos fatores de risco para desenvolvimento de transtornos mentais e para o suicídio. O Brasil carece de políticas consistentes de prevenção ao suicídio que leve em conta as peculiaridades das populações vulneráveis. “No Brasil, falta uma política consistente de prevenção ao suicídio que tenha um caráter capaz de observar as peculiaridades das subpopulações vulneráveis”, finaliza o especialista.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.