Isolamento social pode agravar casos de automutilação

Psicólogo alerta famílias para que fiquem atentas ao comportamento dos adolescentes e ofereçam ajuda, já que o quadro de intensa dor psíquica é caracterizado por cortes intencionais na pele

Flor – Foto: Sharon McCutcheon/Unsplash

A importância da saúde mental vem sendo cada vez mais compreendida e discutida pela sociedade, especialmente neste momento de tantas dificuldades e transformações causadas pela pandemia do novo coronavírus. A automutilação, também conhecida pela palavra inglesa cutting, que significa corte, em inglês, é um dos transtornos emocionais que necessitam de mais atenção durante o isolamento social. 

Segundo o psicólogo Lucas dos Santos Lotério, mestre em Psicologia pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP) da USP, a automutilação é caracterizada por indivíduos que se cortam em alguma parte do corpo, para obter alívio de uma dor psíquica ou emocional muito intensa. 

Lotério explica que o distúrbio pode ser causado por diversos problemas, como a depressão, abusos, bullying, luto, entre outros; é “consequência de um sofrimento interno muito grande, que pode ser causado por uma doença psicológica ou não. O principal ponto é que o comportamento acaba se tornando um vício, já que proporciona um alívio físico imediato para uma dor emocional extremamente forte”. 

O problema é mais comum entre os adolescentes, afirma o psicólogo, já que é uma faixa etária cheia de conflitos internos, sentimentos novos e mudanças hormonais. Por conta disso, Lotério alerta para que a família fique atenta e ofereça ajuda sem julgamentos, principalmente neste período de isolamento social em que o quadro de automutilação pode se intensificar. “A quarentena e a tensão provocadas pela pandemia podem agravar o comportamento, principalmente entre os adolescentes que estão privados do convívio social que tanto gostam.” 

Lotério chama a atenção para a importância do apoio familiar e da psicoterapia durante esse período. “Conversar e ouvir abrem portas para que o indivíduo se sinta confortável e divida suas aflições, o que pode ajudar a aliviar suas dores internas. Além disso, psicólogos continuam a atender durante a quarentena, de forma on-line, e estimular a pessoa a procurar ajuda é extremamente importante.” 

A automutilação pode ser um dos sintomas da depressão, porém o diagnóstico deve ser feito por um profissional da psiquiatria. O tratamento deve ser feito através de acompanhamento psicológico e, dependendo da gravidade do quadro, também com apoio medicamentoso, que só pode ser receitado por um médico psiquiatra. O psicólogo lembra que a automedicação pode ser até mais prejudicial que a própria automutilação.

Ouça a entrevista completa do psicólogo Lucas dos Santos Lotério ao Jornal da USP no Ar – Edição Regional no player acima.

 

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.