Isolamento social foi vital no início da pandemia

Ester Sabino explica que aplicação de medidas de restrição em alguns locais, logo no início da crise, achatou a curva de crescimento de infectados

jorusp

A forma de transmissão do coronavírus não é a mesma do início da pandemia, se compararmos com as características epidemiológicas neste momento no País. No começo, pessoas vindas da Itália e dos Estados Unidos foram aqueles que trouxeram a doença para o Brasil, logo, o vírus só era encontrado em pessoas que haviam viajado ou que tinham tido contato com alguém que havia viajado.

Em entrevista  ao Jornal da USP no Ar, a professora Ester Sabino, pesquisadora e diretora do Instituto de Medicina Tropical (IMT) da Universidade de São Paulo, comentou que praticamente metade dos casos confirmados no Brasil até a ultima semana (4 a 8 de maio) ainda era, de certa forma, relacionada aos tipos de exposição citados acima.

A professora explica que, com o passar do tempo, a própria casa e o trabalho foram elementos que ocasionaram o alastramento da doença e, em quantidade menor, pessoas que foram aos hospitais. A falta de testes foi um dos aspectos notados durante a primeira fase, quando o número de infectados era menor e a quantidade de testes era suficiente, em geral realizado na rede privada de saúde. A partir do momento em que a doença se alastrou, a quantidade disponibilizada não foi suficiente. Atualmente, é um dos principais desafios para conter o avanço da covid-19.

Apesar das semelhanças encontradas com os Estados Unidos e Europa, na forma como a doença se alastrou, de acordo com Ester, há uma diferença crucial na comparação: as outras regiões citadas não sabiam da existência da doença e, quando souberam, só foram aplicar medidas mais impactantes no combate ao vírus ao perceberem que a doença havia se espalhado completamente, enquanto alguns locais no Brasil, ao verem o que ocorria lá fora, já trataram de adotar medidas que diminuíssem a mobilidade das pessoas, fato que, no início, ajudou a achatar a curva de crescimento do número de infectados.

Ouça a entrevista completa no player acima.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP, Faculdade de Medicina e Instituto de Estudos Avançados. Busca aprofundar temas da atualidade de maior repercussão, além de apresentar pesquisas, grupos de estudos e especialistas da Universidade de São Paulo.
No ar de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.