IPT faz levantamento sobre aplicação da tecnologia de impressão 3D

As principais dificuldades encontradas são maturidade tecnológica, custos e conhecimento da tecnologia

  • 12
  •  
  •  
  •  
  •  

jorusp

Uma pesquisa coordenada pelo Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) sobre os desafios de adoção da manufatura aditiva indicou os altos custos de implantação do processo e o fato de a tecnologia ainda não ter atingido uma produtividade ou uma qualidade final que faça concorrência àquelas já estabelecidas como os principais gargalos para a aplicação da tecnologia, também conhecida como impressão 3D. As principais dificuldades encontradas pelas empresas para a aplicação de manufatura aditiva foram maturidade tecnológica (53%), custos (40%) e conhecimento da tecnologia (13%). Para falar sobre o assunto, o Jornal da USP no Ar conversou com Daniel Leal Bayerlein, pesquisador do Laboratório de Processos Metalúrgicos do IPT.

Foto: Lutz Peter via Pixabay – CC

Segundo Bayerlein, no Brasil há pesquisas no campo de impressão 3D há mais de 15 anos, porém, no passado estava mais vinculado a institutos de pesquisa. Atualmente a tecnologia vem ganhando o mercado de trabalho. A técnica pode ser utilizada com polímeros, metais e cerâmicos. Com relação aos metais, setor em que Bayerlein trabalha, a manufatura aditiva vem trabalhando com ligas à base de titânio, que têm como vantagem a densidade baixa, permitindo a produção de peças para as áreas médica e aeroespacial.

O pesquisador, contudo, conta que a tecnologia ainda é cara no Brasil. “A produção do pó metálico que vai ser utilizado para a impressão 3D é muito cara”. Além disso, as máquinas utilizadas também possuem alto valor e produtividade baixa. Mesmo assim, para certos objetos, o custo da matéria prima não é de tudo importante, uma vez que muitas das peças fabricadas são de tamanho pequeno, como é o caso de pedaços de ossos utilizados na área médica.

Para Bayerlein, a grande inovação dessa tecnologia é a capacidade de produzir peças especiais, “O custo para produzir dez ou mil peças é o mesmo, porque você não precisa produzir moldes” explica. O nível de capacitação da mão de obra também é necessário que seja elevado, o que faz com que sejam poucas as pessoas aptas a trabalhar nesse meio.

jorusp

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  • 12
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados