Investir no pré-natal reduziria nascimentos de bebês abaixo do peso

Especialista afirma que focar na atenção primária da gestação é imprescindível para reverter o problema

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

jorusp

A mortalidade infantil é um tema que preocupa há muito tempo não apenas o Brasil, mas o mundo inteiro. Suas principais causas estão associadas a duas condições no nascimento: a prematuridade do parto e recém-nascidos abaixo do peso ideal. Este foi o tema do relatório Lancet Global Health, apoiado pela Organização das Nações Unidas (ONU) e divulgado recentemente por especialistas da Organização Mundial da Saúde (OMS), do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres. Para tentar entender onde o Brasil está posicionado dentro dessa problemática e discutir quais os caminhos necessários a tomar, o Jornal da USP No Ar conversou com Lilian Sadeck, neonatologista do Centro Neonatal do Instituto da Criança e do Adolescente (ICr) do Hospital das Clínicas (HC) da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP).

Embora aparentemente parecidos, Lilian explica que existem diferenças entre os bebês prematuros e os abaixo do peso. A prematuridade é um fator que surge quando o nascimento ocorre com idade gestacional menor do que 37 semanas, então o bebê possui um peso baixo, mas é o esperado para aquele momento. Os recém-nascidos abaixo do peso são aqueles que nascem pesando no mínimo 10% a menos do que seria adequado para sua idade gestacional.

Foto: Pxhere/Domínio Público

A doutora explica que, segundo dados de 2016, entre todos os nascimentos no Brasil, registrou-se peso abaixo do ideal em 9,2% dos casos. Isso inclui tanto prematuros quanto recém-nascidos de peso baixo para sua idade gestacional. Apesar de serem circunstâncias diferentes, o caminho para impedir que ambas levem à mortalidade infantil é a atenção ao pré-natal.
A captação de gestantes ainda no primeiro trimestre para que se possa realizar um acompanhamento com diversas consultas ao longo dos nove meses é fundamental. Lilian explica que, caso as consultas e o acompanhamento sejam feitos com qualidade, é possível  detectar fatores de risco para a prematuridade ou o baixo peso, e pensar qual a melhor forma de intervir. “A maioria desses casos pode ser tratada e minimizados os riscos se fizermos um bom pré-natal e uma boa atenção no momento do nascimento dessas crianças”, complementa.

O relatório da ONU indica a necessidade de o Estado subsidiar mais políticas públicas para enfrentar esse problema. A doutora explica que, além da atenção básica e primária à gestante por parte do Sistema Único de Saúde (SUS), deve haver um foco no grupo de mães mais vulneráveis. Este grupo é formado por mães adolescentes, principalmente abaixo de 15 anos, e mais velhas, acima de 35 anos. O hábito de tabagismo e o consumo de álcool e drogas ilícitas também interferem no desenvolvimento do feto e colocam a gestante em situação vulnerável. Além disso, Lilian explica que gestantes de baixa renda e escolaridade estão inseridas em um meio onde há dificuldade de acesso ao sistema de saúde e desvalorização do pré-natal, o que as inclui no grupo de risco.

Assim, a especialista mostra que é imprescindível que o SUS faça um bom acompanhamento do pré-natal, sobretudo das gestantes desse grupo. Esse atendimento possibilita uma integração em rede na saúde pública, onde um quadro de gestação de alto risco percebido no pré-natal pode ser encaminhado para tratamento em locais com atendimento especializado. “Esse problema não é um assunto resolvido, ainda, mas sabemos como resolvê-lo”, conclui.

 


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP, Faculdade de Medicina e Instituto de Estudos Avançados. Busca aprofundar temas da atualidade de maior repercussão, além de apresentar pesquisas, grupos de estudos e especialistas da Universidade de São Paulo.
No ar de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •