Investigação do caso Marielle se deu nos espaços informacionais

Foi a primeira investigação policial da era da pós-virtualidade, segundo a professora Giselle Beiguelman

  • 6
  •  
  •  
  •  
  •  

 

A investigação policial sobre o assassinato da vereadora Marielle Franco e de seu motorista, Anderson Gomes, ocorrido em março de 2018, no Rio de Janeiro, foi provavelmente a primeira da era da pós-virtualidade no Brasil. Ela se deu a partir da análise de sinais de celulares e do acesso a arquivos guardados nas nuvens digitais. “A investigação não se baseou em interceptação telefônica, mas em quebra de sigilo de dados.”

O comentário foi feito pela professora Giselle Beiguelman, em sua coluna Ouvir Imagens, transmitida no dia 18 de março de 2019 pela Rádio USP (93,7 MHz).

Ouça no link acima a íntegra da coluna.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  • 6
  •  
  •  
  •  
  •