Instituto de Ortopedia e Traumatologia é especialista em casos graves

Gilberto Luis Camanho comenta que o Instituto possui a única pós-graduação em ortopedia e traumatologia do Brasil 

Dando sequência à série especial sobre a contribuição da Faculdade de Medicina (FM) da USP para a sociedade, vamos conhecer a história do Instituto de Ortopedia e Traumatologia (IOT) do Hospital das Clínicas (HC) da FM, que este ano completa 66 anos de atendimento, ensino e pesquisa. O Jornal da USP no Ar conversou com o professor Gilberto Luis Camanho, do Departamento de Ortopedia e Traumatologia da FM e presidente do Conselho Diretor do IOT.

A Clínica Ortopédica e Traumatológica da FM foi a primeira a ser transferida para o HC, pelo Decreto-Lei 14.256 de 1944, tendo por finalidade o Pronto Socorro aos traumatizados do aparelho locomotor e os pacientes da Paralisia Infantil. “O instituto foi inaugurado no momento inicial da ortopedia”, conta Camanho, e completa: “Era uma especialidade inexistente na maioria das faculdades (de medicina)”.

Em consequência do grande fluxo de enfermos atraídos pelos serviços da Clínica Ortopédica e Traumatológica, foi determinado pelo Governo do Estado de São Paulo a construção de um pavilhão destinado unicamente para o atendimento de traumatologia e ortopedia. Em agosto de 1951, a Clínica Ortopédica e Traumatológica iniciou suas atividades ambulatoriais em prédio próprio, em caráter experimental. Em 1952, foram internados os primeiros pacientes. E foi em 31 de julho de 1953 que foi inaugurado oficialmente o prédio do IOT.

Camanho explica que o IOT, assim como a ortopedia, evoluiu bastante. “A ortopedia é hoje uma especialidade que se dedica a setores como os pés, mãos, quadril, joelho e ombro”, destaca o professor, e avança: “Além disso, IOT é pioneiro nas articulações isoladas: joelho, pé, ombro. Várias especialidades tiveram seus estudos iniciados no instituto. Há também o atendimento traumatológico. No momento, o IOT atende apenas traumas mais graves.

O presidente do Conselho Diretor comenta sobre a evolução nos procedimentos cirúrgicos da ortopedia e traumatologia. “A lesão do menisco do joelho, por exemplo, quando não havia especialidade cirúrgica, o paciente ficava com gesso entre 40 e 60 dias. Agora, com o surgimento da artroscopia, o paciente passa quatro horas no hospital e volta para casa andando”.

A formação de novos médicos é a atividade mais importante do IOT, destaca Camanho. “Há a formação básica na Faculdade de Medicina, com a cadeira de Ortopedia e Traumatologia”, explica o professor, e acrescenta: “Ao final do curso médico, tem a residência médica, que na ortopedia é de três anos. Depois, ainda há a especialização do especialista, no quarto ano de residência”. O IOT também possui pós-graduação – a única no Brasil – para a formação de professores, além de ser referência na área de pesquisa e produção científica.

Por fim, Camanho comenta que um dos maiores desafios do instituto é aumentar o número de atendimentos. O IOT é um centro de excelência, sendo capaz de atender as ocorrências mais complexas de ortopedia e traumatologia. No entanto, as filas ainda são longas, podendo durar até dois anos.

 


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. Busca aprofundar temas da atualidade de maior repercussão, além de apresentar pesquisas, grupos de estudos e especialistas da Universidade de São Paulo.
No ar de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.