Brasil ocupa posição privilegiada na pesquisa de doenças tropicais

O Instituto de Medicina Tropical cumpre um papel fundamental ao estudar uma área negligenciada, não estudada nos países da Europa e nos EUA

Seguindo com o Especial sobre a contribuição da Medicina USP para a sociedade, o Jornal da USP no Ar apresenta o Instituto de Medicina Tropical (IMT) da Faculdade de Medicina (FM) da USP. Para isso, o jornal conversou com a diretora do IMT, Ester Sabino, professora do Departamento de Moléstias Infecciosas e Parasitárias da FM.

A diretora do instituto esclarece que o IMT cumpre um papel fundamental ao estudar uma área negligenciada: as doenças tropicais. A professora explica que os países europeus, assim como os Estados Unidos, não são acometidos por grande parte das doenças tropicais. Com isso, não há necessidade desses países – que abrigam os principais centros de pesquisa do mundo – realizarem estudos sobre enfermidades tropicais. Desse modo, o Brasil acaba tomando “uma posição de liderança na pesquisa de doenças tropicais, como a doença de Chagas”, relata Ester.

O Instituto de Medicina Tropical é o único centro de pesquisa com esse foco no Estado de São Paulo, possuindo uma parceira importante com a Secretaria da Saúde de São Paulo. Além disso, há estudos sendo desenvolvidos com diversas unidades da Universidade, como o Instituto de Ciências Biomédicas (ICB), a Faculdade de Saúde Pública (FSP), a Escola de Enfermagem (EE), a Faculdade de Odontologia (FO), a Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia​ (FMVZ), entre outras.

Recentemente, o IMT foi protagonista nos estudos sobre o zika vírus, em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Outra pesquisa importante é sobre a febre amarela, na qual foi realizada a patogênese da doença, além da investigação de possíveis drogas para o tratamento. O instituto comemora 60 anos de existência e será realizado um evento no dia 3 de dezembro, das 8h às 17h30, no Teatro da Faculdade de Medicina.

Ouça a entrevista, na íntegra, no player acima.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.