Instituto da Criança faz transplante hepático imediato em casos graves

“Devolvemos para a sociedade aquilo que ela investiu aqui na Universidade”, comenta Uenis Tannuri sobre os serviços oferecidos pelo HC

.

..

.

O Instituto da Criança do Hospital das Clínicas (HC) da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP), comemora os 30 anos do primeiro transplante de fígado. O programa foi iniciado em setembro de 1989. Cerca de 850 pacientes portadores de doenças hepáticas terminais foram submetidos ao transplante, o que significou uma nova perspectiva de vida a crianças antes condenadas ao óbito em curto espaço de tempo. Roxane Ré, do Jornal da USP no Ar, conversa com o professor Uenis Tannuri sobre o trabalho que o instituto está entregando para a sociedade brasileira.

Fachada do Instituto da Criança do Hospital das Clínicas (HC) da Faculdade de Medicina da USP – Foto: Marcos Santos / USP Imagens

Atualmente, o Instituto da Criança é o maior centro universitário de transplante hepático pediátrico do País e um dos mais expressivos do mundo. Os casos atendidos no instituto são os de maior gravidade e complexidade, sendo que cerca de 80% dos pacientes são provenientes de outros estados da Federação. O professor Tannuri explica que, aproximadamente, 60% das crianças que carecem de transplante são acometidas por uma doença chamada atresia de vias biliares. Trata-se do acometimento das vias biliares do fígado, que evolui para uma cirrose e leva o paciente a óbito.

Instituto da Criança desenvolveu a possibilidade do transplante hepático inter-vivos – Foto: Divulgação / HC-FMUSP

“Outra doença muito grave na criança, e que temos uma grande expertise aqui no instituto, é a hepatite fulminante”, discorre Tannuri, e avança: “A criança está bem, mas de repente desenvolve uma falência hepática aguda! Caso não faça o transplante, ela morre em poucas horas, ou no máximo em poucos dias”. Para esses casos, o Instituto da Criança desenvolveu a possibilidade do transplante hepático inter-vivos. O instituto consegue preparar um doador em poucas horas e realizar o transplante no mesmo dia. “Posso dizer, com muito prazer e realização, que essa é a interface mais maravilhosa da Universidade com a sociedade. Devolvemos para a sociedade aquilo que ela investiu aqui no Hospital das Clínicas”, comenta o professor sobre o trabalho de extensão prestado pela USP, de forma gratuita.

Uenis Tannuri rememora uma fala do reitor da USP, professor Vahan Agopyan, na qual ele enfatiza a importância da extensão universitária, como a prestação de serviços que a Universidade oferece à sociedade. No entanto, Tannuri lamenta a pouca visibilidade que a grande mídia dá para isso: “Me chateia muito ver que as universidade estrangeiras têm maior repercussão na mídia”.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. Busca aprofundar temas da atualidade de maior repercussão, além de apresentar pesquisas, grupos de estudos e especialistas da Universidade de São Paulo.
No ar de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

.

 

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.