Instalação de painéis solares cresce 560% no País

Custo em queda estimula investimento, mas governo quer taxar o excedente que é jogado na rede de distribuição

Que tal você mesmo gerar a energia que consome em casa, a partir da captação da luz solar? Melhor ainda: que tal vender para a distribuidora, como a CPFL, por exemplo, a energia excedente? Pois é, essa realidade tem aumentado substancialmente no Brasil. 

Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), nos últimos dois anos, a instalação de painéis solares para geração própria de energia elétrica aumentou mais de 560%. O número saltou de 7.400 para 49 mil unidades em todo o Brasil. São instalações em residências, empresas e indústrias.

O que atrai o consumidor, segundo a Aneel, é o preço do investimento, que tem diminuído ano após ano, e também porque há casos em que a economia de custo desse insumo chega a 95%.

Especialista no assunto, o professor Fernando Lima Caneppele, do Departamento de Engenharia de Biossistemas da Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos da USP, em Pirassununga, comenta que esse tipo de energia é mais limpa e esse impacto positivo na matriz energética brasileira deve ser creditado “aos próprios consumidores, uma vez que os geradores residenciais contribuem com o fornecimento de energia elétrica para o Sistema Interligado Nacional (SIN)”. 

Mas as regras desse jogo podem mudar. O governo pensa em taxar o excedente que o consumidor joga na rede de distribuição, o que tem sido feito sem custo até hoje. Mesmo assim, o professor acredita que o governo deverá criar outros estímulos para compensar os investimentos e manter o crescimento dessa fonte de energia.

Mas por que mudar as regras no meio do jogo? Caneppele entende a mudança na regra como um ajuste; acredita que, no início, o interesse pela produção da própria energia com base na luz solar possa sofrer impacto negativo, mas será uma situação provisória.

Ouça no link acima a entrevista na íntegra.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.