Infraestrutura de transporte no Brasil deve estar preparada para a demanda no pós-pandemia

Para Claudio Barbieri, é importante tomar medidas para estimular alternativas mais eficientes do ponto de vista energético e ambiental, como são o transporte ferroviário, hidroviário e marítimo

 18/10/2021 - Publicado há 1 mês

 

É preciso ter um preço final competitivo dos produtos, mas para isso leva-se em conta os custos e o tempo gasto durante o transporte – Foto: Fotos públicas

Os investimentos em transportes podem chegar a R$ 238 bilhões, de acordo com cálculos, com recursos privados até 2022. Claudio Barbieri, professor do Departamento de Engenharia de Transportes da Escola Politécnica (Poli) da Universidade de São Paulo, comenta sobre investimentos e infraestrutura de transportes no Brasil ao Jornal da USP no Ar 1° Edição.

De acordo com Barbieri, a participação da iniciativa privada é estratégica ao investir em projetos de transportes e logística para favorecimento próprio. “Para a Vale, por exemplo, ser competitiva no mercado internacional de minério de ferro, ela precisa ter uma logística muito eficiente, visto que a posição do Brasil em relação à Ásia é muito desfavorável. Isso faz com que a empresa faça investimento não porque vai ganhar dinheiro no transporte do minério, mas sim porque ela vai conseguir ser lucrativa e ter benefícios na comercialização”, exemplifica Barbieri, ao destacar os interesses da iniciativa privada no setor de transporte. Ele ainda lembra do custo e tempo do transporte de produtos agrícolas, por exemplo. “Se o custo for muito alto, diminui a atratividade do produto brasileiro”, destaca. É preciso ter um preço final competitivo dos produtos, mas para isso leva-se em conta os custos e o tempo gasto durante o transporte.

Trem com carga – Foto: Luiz H. Bassetti -Flickr

“É importante tomar medidas para estimular alternativas mais eficientes do ponto de vista energético e ambiental, como são o transporte ferroviário, hidroviário e marítimo”, comenta Barbieri, ao destacar a dependência do Brasil de sua malha rodoviária e os agravantes que o aumento da energia e dos combustíveis representam para o modal. Ele ainda complementa que já existem projetos de ampliação de modais alternativos ao rodoviário, como o ferroviário, mas “não saem do papel e faltam investimentos e recursos”, destaca. Segundo Barbieri, a infraestrutura de transporte do Brasil, mas não somente, deve estar preparada com a crescente demanda do setor nesse período pós-pandemia para evitar problemas logísticos. “Não adianta só fazer obras novas, mas sim conservar a estrutura existente e manter a manutenção constante, por exemplo, de asfaltos de rodovias”, finaliza.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.