Imunoterapia é alternativa menos agressiva para combate ao câncer

Forma de tratamento faz com que a defesa do organismo reaja contra as células cancerígenas

  • 1.1K
  •  
  •  
  •  
  •  

jorusp

Uma equipe de pesquisadores dos Estados Unidos desenvolveu uma droga que faz com que o sistema imunológico do paciente “devore” as células cancerígenas. O tratamento aumenta da defesa do organismo, feita pelos glóbulos brancos, e pode combater tumores agressivos como no câncer de mama e de pele. O estudo, desenvolvido através de testes em camundongos, mostrou que ao utilizar a droga o câncer parece ter parado de se espalhar por conta da ação dos macrófagos, que devoram invasores indesejados.

O professor Gilberto Castro, médico do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp) da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP) e chefe do Departamento de Oncologia Torácica e Câncer de Cabeça e Pescoço conversa em entrevista sobre as formas de imunoterapia para o combate ao câncer.

Ele explica que conforme a progressão da célula cancerígena, ela passa a produzir substâncias capazes de induzir uma reação do sistema imunológico – os antígenos. A partir daí, os anticorpos são ativados; contudo, a defesa do organismo não consegue combater as células cancerígenas por conta da produção de proteínas que “desligam” o sistema imune. A imunoterapia, então, surge com o propósito de mudar isso.

As primeiras terapias com base no estímulo do sistema imunológico para tratar o câncer datam o fim do século 19 e começo do século 20, e, no fim do século 20, anticorpos para tratamento através da injeção direta na veia dos pacientes foram desenvolvidos.

Foto: National Cancer Institute via Wikimedia Commons – Domínio Público

Dos últimos anos para cá, os avanços foram feitos na identificação das formas utilizadas pelo tumor para “desligar” o sistema imune, culminando no desenvolvimento de anticorpos que são direcionados a essas “chaves de desligamento” e não ao tumor. Essa imunoterapia mais moderna já é utilizada em alguns casos e faz com que o sistema imune volte a reconhecer a célula cancerígena como uma ameaça, passando a combatê-la.

O oncologista afirma que essas formas de tratamento são, em sua maioria, aplicadas a pacientes com doenças metastáticas, quando a doença já se espalhou pelo organismo. A taxa de resposta apresentada ao tratamento varia de acordo com o paciente, possuindo maior eficácia quando é aplicado a recém-diagnosticados. O especialista ainda comenta que as respostas de pacientes à imunoterapia são duradouras, tendo um controle do tumor por dez à 12 meses, e em alguns casos, por anos. Além disso, a imunoterapia pode melhorar largamente a qualidade de vida do paciente por conta da menor agressividade dos efeitos tóxicos.

Jornal da USP no Ar, uma parceria do Instituto de Estudos Avançados, Faculdade de Medicina e Rádio USP, busca aprofundar temas nacionais e internacionais de maior repercussão e é veiculado de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.

Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93,7, em Ribeirão Preto FM 107,9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular. Você pode ouvir a entrevista completa no player acima.

  • 1.1K
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados