Imunoterapia alérgica é alternativa no tratamento da rinite

Quando realizado corretamente, o porcentual de sucesso do tratamento é superior a 90%, conta João Mello

A rinite, doença muito comum nos dias de hoje, não é provocada por nenhum tipo de vírus, mas sim por uma resposta exagerada do organismo ao entrar em contato com determinada substância. A rinite é caracterizada pela inflamação das mucosas nasais, podendo, ou não, ser alérgica. Para os casos de alergia, as “vacinas antialérgicas” são uma alternativa. O Jornal da USP no Ar conserva sobre o assunto com o professor João Mello, coordenador do Ambulatório de Alergia em Otorrinolaringologia do Hospital das Clínicas (HC) da Faculdade de Medicina (FM).

Por mais que não seja uma doença fatal, a rinite causa extremo incômodo em seus portadores, com uma perda de produtividade em até 40%, relata João Mello. O médico explica que o tratamento para a rinite alérgica funciona em três eixos: a diminuição do contato com o agente causador, o uso de antialérgicos e, finalmente, a vacina antialérgica. Os dois primeiros operam na ordem da mitigação de sintomas, já o último na diminuição da sensibilidade do paciente em relação às substâncias causadoras da rinite.

O professor da Faculdade de Medicina esclarece que, do ponto de vista formal, não há vacina antialérgica, mas sim uma imunoterapia alérgeno-específica. Como a rinite é causada por uma resposta exacerbada do sistema imunológico, o que a imunoterapia faz é minguar determinado anticorpo da classe IEG. O primeiro passo do tratamento é localizar o agente causador, a fim de coibir seu respectivo IEG. “Quando realizada corretamente, o porcentual de sucesso da imunoterapia é superior a 90%”, conta João Mello, e completa: “Às vezes, o paciente ainda terá que usar medicamentos, mas como houve uma diminuição de sua sensibilidade, ele usará bem menos”.

Ouça a entrevista, na íntegra, no player acima.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.