Imprensa livre é remédio contra “fake news”

Em sua coluna desta semana, Lins da Silva lembra que a censura do Estado nunca é eficaz para garantir a democracia

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O ministro Luís Fux, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), quer investigar veículos que supostamente espalham fake news. Para o jornalista Carlos Eduardo Lins da Silva, que prefere usar o conceito de “notícia fraudulenta” em vez de fake news, deixar nas mãos das autoridades e do Estado a tarefa de decidir e punir o que consideram notícias falsas pode representar uma ameaça à democracia.

Para o colunista, ainda que os crimes cibernéticos devam ser punidos, só a imprensa independente é um remédio eficaz para garantir a democracia, a cidadania e, por consequência, se contrapor às notícias falsas.

Ouça na íntegra clicando no player acima.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •