Hospital das Clínicas celebra marca de 2 mil transplantes de fígado

Evento promoverá a importância da doação de órgãos e contará com um quadro da evolução desse tipo de cirurgia

  • 1.5K
  •  
  •  
  •  
  •  

jorusp

O Serviço de Transplante de Fígado e Órgãos do Aparelho Digestivo do Hospital das Clínicas (HC) da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP) realiza amanhã, dia 21, evento em comemoração aos 2 mil transplantes de fígado no HC e aos 50 anos de transplantes hepáticos no Brasil. O primeiro transplante de fígado foi realizado no HC em 1968. O evento também promoverá a importância da doação de órgãos, além de trazer um quadro de evolução do transplante de fígado, e contará com a presença dos professores responsáveis pelos primeiros procedimentos do serviço na instituição. O Jornal da USP no Ar conversou com Luiz Augusto Carneiro D’Albuquerque, diretor da Divisão de Transplantes de Fígado e Órgãos do Aparelho Digestivo do HC.

O médico atribui esse número ao avanço técnico, às novas medidas de suporte ao paciente clínico e à forte base tecnológica desenvolvida ao longo desses 50 anos. Esses fatores proporcionaram êxito nos transplantes, com uma sobrevida bastante elevada, chegando a 92% em casos rotineiros. No entanto, D’Albuquerque reconhece que todo esse sucesso foi possível graças à doação de órgãos e por isso parabeniza os familiares que, mesmo em um momento difícil, optam por doar.

Como aconteceu com a tecnologia, o número de doadores avançou consideravelmente. O médico justifica pelo fato de que, antes, o processo de doação era muito complexo, mas hoje existem equipes treinadas que seguem preceitos éticos com o objetivo de conscientizar a família sobre a importância da doação.

Quando transplantado, o órgão pode rejeitar seu novo corpo, porém, D’Albuquerque comemora que a imunossupressão evoluiu muito e hoje a rejeição em caso de transplantes no fígado, com as novas drogas utilizadas, é um problema contornado. Ele destaca o fato de o Brasil possuir o maior sistema público de transplante do mundo e oferecer continuamente imunossupressores durante toda a vida, de maneira gratuita, para seus pacientes.

O médico lembra dois grandes feitos recentes do HC: o primeiro transplante de fígado do mundo envolvendo uma vítima da febre amarela; e pioneiro em caso de transplante de útero de cadáver.

O evento será no teatro da FMUSP, às 10 horas, no Instituto Central do HC. O teatro está localizado na Avenida Doutor Arnaldo, 351-585 – Pacaembu, São Paulo – SP, 01246-000.

Jornal da USP no Ar, uma parceria do Instituto de Estudos Avançados, Faculdade de Medicina e Rádio USP, busca aprofundar temas nacionais e internacionais de maior repercussão e é veiculado de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.

Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93,7, em Ribeirão Preto FM 107,9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular. Ouça, no link acima, a íntegra da entrevista.

 

  • 1.5K
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados