Guerra da Ucrânia atinge novo estágio com ameaças de Vladimir Putin

Pedro Costa Júnior analisa os últimos desdobramentos do conflito a partir das iniciativas tomadas pelo líder russo

 Publicado: 22/09/2022
Por
Foram enviados entre 150 mil  e 250 mil reservistas às regiões de Lugansk, Donetsk, Kherson e Zaporizhzhia – Foto: Pixabay

Sete meses após eclodir a guerra contra a Ucrânia, Vladimir Putin anunciou nesta quarta-feira (21) o dobramento dos esforços militares e reforçou a ameaça nuclear contra o Ocidente. Ao convocar 300 mil reservistas e assegurar a proteção do povo nos territórios ocupados, o presidente russo toma medidas esmagadoras contra seus antagonistas: “Isso não é um blefe”, sinalizou.

O professor Pedro Costa Júnior, de Relações Internacionais e cientista político na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP, avalia a decisão de Putin: “Ele se prepara para uma contraofensiva sem limites e esmagadora”. Somado ao envio do corpo militar, o uso de armas nucleares táticas não é descartado pelo chefe de Estado. Apesar do sinal de alerta, o professor explica que, enquanto os armamentos convencionais são aqueles utilizados indiscriminadamente contra populações civis, os táticos têm alvos específicos.

Pedro Donizete da Costa Júnior – Foto: FFLCH-USP

Foram enviados entre 150 mil  e 250 mil reservistas às regiões de Lugansk, Donetsk, Kherson e Zaporizhzhia, diz ele. Contudo, o estágio de estagnação do conflito surpreendeu o governo Putin: “Você pode saber quando a guerra começa, mas não sabe quando ela vai acabar e como vai acabar”. As ações anunciadas têm como objetivo romper a retaguarda ucraniana, que é sustentada pela Otan.

Balança de poder

A “parceria sem-limites”, estabelecida entre China e Rússia no início do ano, coloca fim à ordem hegemônica da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) e é vista como uma ameaça pelo Ocidente, na visão do professor. Desde o desmantelamento da União Soviética, a cadeia hierárquica de poder e a ética do sistema internacional eram unipolares, sendo regida pelos Estados Unidos. Em um novo tempo nas relações internacionais, “pela primeira vez, a Eurásia inicia uma guerra na Europa que coloca o Ocidente na defensiva”, comenta Costa Júnior. 

Além disso, ele analisa que a percepção de que a Rússia está desprovida de alianças é “uma falácia” e “completamente descolada da realidade”. Embora as estratégias de guerra russas não tenham se concretizado como o planejamento prévio, a rede de alianças com afegãos, chineses, paquistaneses e turcos evidencia que “nenhuma atitude de Putin agora é isolada ou irracional, no ponto de vista da geopolítica”. 


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 

 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.