Guerra cibernética define nova fase dos conflitos globais

Colunista diz que governos e empresas devem se modernizar para se proteger do confronto permanente

  • 1
  •  
  •  
  •  
  •  

O embaixador Rubens Barbosa comenta esta semana sobre um novo método bélico, a guerra cibernética. Por definição, ela é a utilização de meios numéricos para desenvolver a função de controlar outros países ou empresas.

É uma nova fase no sistema internacional, de conflito permanente. Espionagem, sabotagem e as guerras de informação são feitas a distância, sem a presença humana e com grandes danos para os países. O colunista diz que há possibilidade de que as falhas em aviões iranianos ou os apagões na Venezuela tenham tido interferências cibernéticas.

“Os governos e as empresas precisam se modernizar”, afirma Barbosa. As empresas grandes são as mais vulneráveis, já que movimentam um grande número de dados. O Itamaraty, a Petrobras e até a Presidência estão entre os exemplos de instituições que  já sofreram ataques cibernéticos.

Ouça, na íntegra, a coluna Diplomacia e Interesse Nacional de hoje.

 

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  • 1
  •  
  •  
  •  
  •