“Gestão da Petrobras configura conflito de agências, divergências entre acionistas e gestor”

Para Pedro Luiz Côrtes, é necessário um modelo de gestão capaz de evitar um conflito entre acionistas e os interesses da população

 26/02/2021 - Publicado há 8 meses
Edifício sede da Petrobras no centro do Rio de Janeiro – Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

As questões referentes à Petrobras continuam em aberto. A forma de gestão das empresas públicas de capital aberto e os aspectos ambientais envolvendo os combustíveis precisam ser discutidos. Em entrevista ao Jornal da USP no Ar 1ª Edição, o professor da Escola de Comunicações e Artes e do Programa de Pós-Graduação em Ciência Ambiental do Instituto de Energia e Ambiente (IEE) da USP, Pedro Luiz Côrtes, comenta o assunto.

Para o professor, o problema é mais amplo do que vem sendo considerado. “Na gestão de empresas públicas de capital aberto, que é o caso da Petrobras, configura-se o chamado conflito de agências, uma divergência de interesses entre acionistas e o gestor. O governo, como maior acionista e gestor, deve priorizar o retorno sobre investimento dos demais acionistas. Entretanto, o governo foi eleito para proteger o interesse de toda a população e isso, em geral, não coincide com o interesse dos acionistas”, explica.

Quando a Petrobras aumenta o preço dos combustíveis, está preservando o interesse dos acionistas. Quando ela decide congelar, durante algum tempo, o preço dos combustíveis, está atendendo aos interesses da população. É necessário que haja um modelo de gestão capaz de evitar esse tipo de conflito. “Em meu entendimento, isso não passa por uma renúncia fiscal, como o governo vem realizando. Ou seja, abrir mão de alguns impostos na tentativa de manter o preço do óleo diesel em patamares mais baixos”, afirma Côrtes.

Os biocombustíveis, uma ótima alternativa aos combustíveis fósseis, têm sido deixados de lado, o que prejudica esse setor e deixa o País dependente da importação de derivados de petróleo e da oscilação internacional do preço dos combustíveis, explica o professor. A preocupação crescente com a sustentabilidade diz respeito também aos combustíveis. Muitos países proibirão a venda de automóveis novos movidos a gasolina nos próximos anos e optarão por fontes de energia alternativas. “Em poucas décadas, a indústria petrolífera vai perder a importância que tem hoje”, diz.

As discussões sobre o futuro da nossa matriz energética e as políticas de preço também envolvem essa mudança de padrão das fontes de energia no mundo. “Infelizmente, essas discussões não ocupam a Câmara dos Deputados e o Senado”, finaliza o professor.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.