Genética explica paciente que não sente dor e tem pouca tendência ao estresse

Condição rara torna mulher imune à dor, com alta capacidade de cicatrização e pouca ansiedade

Nesta edição de Decodificando o DNA, Mayana Zatz traz o caso de uma paciente escocesa de 66 anos que não sente dor (o que também pode ser um problema, por se machucar sem perceber) e também apresenta pouca tendência a desenvolver problemas como estresse pós-traumático. Geneticistas estudaram qual mutação rara é responsável por estas características, pensando em futuros tratamentos para quem sofre de condições como dor crônica. O artigo foi publicado recentemente no British Journal of Anaesthesia.

Clique no áudio acima para ouvir a geneticista do Centro de Pesquisas sobre o Genoma Humano e Células-Tronco (CEGH-CEL) da USP.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.