“Gene da juventude” promove o reparo do DNA

Pesquisas com o gene SIRT6 trazem valiosas informações para cientistas que buscam formas de prevenir doenças relacionadas à idade

Nesta edição de Decodificando o DNA, Mayana Zatz comenta um artigo publicado na revista Cell com novas descobertas sobre aquele que já vinha sendo chamado de o “gene da juventude” – ao menos no caso dos roedores.

Os pesquisadores mostraram que o gene sirtuin 6 (SIRT6) tem importante papel na organização de proteínas e no recrutamento de enzimas que reparam o DNA danificado. Além disso, foi constatado que camundongos que tiveram o gene deletado envelhecem prematuramente, e têm menor sobrevida. Já os animais portadores de cópias extras do SIRT6 vivem por mais tempo.

Os cientistas também investigam se o SIRT6 é responsável pelo reparo mais eficiente do DNA em espécies que apresentam maior longevidade e, claro, no organismo humano. Os experimentos com células humanas in vitro (isoladas em laboratório) buscam novos alvos para intervenções relacionadas ao antienvelhecimento e à prevenção de doenças relacionadas à idade.

Clique no áudio acima para ouvir a geneticista do Centro de Pesquisas sobre o Genoma Humano e Células-Tronco (CEGH-CEL) da USP.


Decodificando o DNA
A coluna Decodificando o DNA, com a professora Mayana Zatz, vai ao ar quinzenalmente toda quarta-feira às 10h50, na Rádio USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e TV USP.

.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.