Gel produzido na USP é capaz de secar feridas da herpes labial

Medicamento fruto de pesquisa da Faculdade de Ciências Farmacêuticas já está sendo testado

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a herpes labial, ou tipo 1, atinge mais de três bilhões da população mundial com menos de 50 anos e não possui cura. Seus sintomas mais reconhecidos são pequenos ferimentos que costumam aparecer nas proximidades labiais dos pacientes. Uma pesquisa desenvolvida na Universidade de São Paulo está testando um gel que seca as feridas causadas pela doença; o medicamento tem um efeito estético agradável.

De acordo com o professor Osvaldo de Freitas, da Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto da USP, o produto ainda está em fase de testes e sua eficiência tem se mostrado alta; contudo, pode variar, dependendo da gravidade do caso. Além disso, também apresenta uma ação virucida, ajudando na prevenção do contágio.

A descoberta foi feita pelo professor Vinícius Pedrazzi, da Faculdade de Odontologia de  Ribeirão Preto da USP, enquanto atendia uma paciente. De acordo com Pedrazzi, o medicamento só foi testado na região labial, não sendo possível saber ainda da sua eficácia em outros locais,  como pescoço, costas e áreas genitais.

O Jornal da USP, uma parceria do Instituto de Estudos Avançados, Faculdade de Medicina e Rádio USP, busca aprofundar temas nacionais e internacionais de maior repercussão e é veiculado de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.

Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

Você pode ouvir a entrevista completa no player acima.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados