Gasolina cara torna o etanol mais atraente

Com essa afirmação, o físico José Goldemberg analisa a política atual de reajustes de preços dos combustíveis

 25/05/2018 - Publicado há 4 anos

Desde que a Petrobras mudou sua política de reajustes de preços para o diesel e a gasolina, o setor de revendas e combustíveis vem reclamando muito e, recentemente, solicitou mudanças tributárias ao governo para minimizar o prejuízo. Na coluna Energia, o professor José Goldemberg analisa a política atual do setor de combustíveis.

Para Goldemberg, a política anterior de fixar o preço da gasolina, mesmo com as variações do preço da gasolina no mercado internacional, foi totalmente desastrosa. “Enquanto o preço da gasolina no exterior era altíssimo, com o barril a US$ 150, no Brasil a gasolina estava barata, o que encorajava o consumo excessivo.”

O atual governo está adotando uma política mais racional com o custo real, não tem subsídio, por isso muitos querem a volta dos subsídios. Goldemberg explica que o subsídio implantado há seis anos quase levou a Petrobras à insolvência. Para ele, a política atual faz sentido.

O professor cita, como exemplo, o caso da Venezuela, que tinha gasolina praticamente gratuita e quase causou a quebra da empresa de petróleo. “Gasolina cara tem uma grande vantagem: torna o etanol mais atraente”, pontua.

Ouça, no link acima, a íntegra da coluna Energia.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.