Futuro da inflação preocupa e afeta a todos, mas o pobre come menos

Rafael Paschoarelli explica a crise no cenário macroeconômico do Brasil, que atinge principalmente as camadas mais pobres ao reduzir seu poder de compra

 Publicado: 14/09/2021
Mesmo com o pico máximo apontado por especialistas não tendo sido alcançado ainda, a preocupação de uma inflação de dois dígitos já é real – Foto : Jcomp – Frepick

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), inflação oficial do País, que terminou 2020 em 4,52%, agora já passa os 9%, considerando os últimos 12 meses. O valor explicita a rápida pressão inflacionária que vive o Brasil. Mesmo com o pico máximo apontado por especialistas não tendo sido alcançado ainda, a preocupação de uma inflação de dois dígitos já é real.

“Surpreende pela magnitude da inflação”, indica o professor Rafael Paschoarelli, da FEA-USP. A meta da inflação para 2021, estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), era de 3,75%. Ao Banco Central, por sua vez, cabe a função de estabelecer a política monetária para que a inflação medida pelo IPCA fique dentro da meta do CMN. Dentro dessa estratégia monetária estabelecida pelo Banco Central (BC), encontra-se a regulagem da Selic, taxa básica de juros fixada para todo o País.

Com a Selic baixa (como aconteceu em 2020, que fechou o ano em 2%), investimentos dolarizados em títulos públicos brasileiros passam a não mais valerem a pena. A fuga de dólares causa inflação de certos produtos, como o petróleo. Soma-se a isso o aumento na conta de energia, cujo peso é considerável no cálculo da inflação. “A inflação atinge o rico, mas não muda nada o seu padrão de vida. O pobre come menos. Ele não vai ter dinheiro para pegar o ônibus até o fim do mês”, demonstra Paschoarelli, lembrando que a alta da gasolina encarece serviços que dependem do combustível.

Vale lembrar que o aumento da inflação também é acompanhado do Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M), que avalia o preço de itens básicos no mercado e acumula alta de mais de 16% em 2021. O pior cenário para o futuro seria a inflação aliada à recessão de atividades econômicas e também alimentada pelos altos gastos públicos.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.