FGTS completa 55 anos com discussões sobre baixa remuneração de rendimentos

Ao longo do tempo, o fundo tornou-se também uma importante fonte de financiamento de projetos de infraestrutura urbana, sendo a principal fonte de recursos para financiamento habitacional do País

 29/11/2021 - Publicado há 2 meses
Por
Segundo a Caixa Econômica Federal, só entre 1990 e 2020, mais de 7 milhões de unidades habitacionais foram financiadas com recursos do fundo – Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil CCFoto: Marcelo Camargo / Agência Brasil CC

O FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) está completando 55 anos de existência. Criado em 1966 para proteger o trabalhador com registro em carteira profissional, em caso de demissão sem justa causa, o FGTS é uma espécie de poupança obrigatória. O empregador deposita o valor correspondente a 8% do salário do funcionário.

“Naquela época, o trabalhador que completasse dez anos no emprego adquiria estabilidade e não poderia ser demitido. Alguns empregadores acabavam demitindo os funcionários antes de completar o prazo”, explica o professor Paulo Feldmann, do Departamento de Economia da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) da Universidade de São Paulo.

Ao longo do tempo, tornou-se também uma importante fonte de financiamento de projetos de infraestrutura urbana, sendo a principal fonte de recursos para financiamento habitacional do País. O professor Marcus Orione, do Departamento de Direito do Trabalho e Seguridade Social da Faculdade de Direito da USP, explica que “o FGTS é usado para uma política nacional de habitação, através da Caixa Econômica Federal, que passa a ser a grande gestora desse fundo”. Segundo a Caixa Econômica Federal, só entre 1990 e 2020, mais de 7 milhões de unidades habitacionais foram financiadas com recursos do fundo.

O maior problema do FGTS hoje é a sua remuneração. Os rendimentos do fundo não estão acompanhando o aumento dos preços, com isso reacende-se o debate sobre o tema. O economista Paulo Feldmann alerta “que as taxas aplicadas atualmente não cobrem nem a inflação, com isso existem perdas”. Já o advogado Marcus Orione diz que corre no Supremo Tribunal Federal uma ação que busca a mudança da taxa de juros entre 3% e 6%. 

Em meio a uma crise inflacionária, aumento no número de desempregados e retração da atividade econômica, será que temos o que comemorar? Sim. Em vários momentos de dificuldades, principalmente quando o País atravessa alguma crise, Paulo Feldmann lembra que “o governo permite que o trabalhador saque parte de seus recursos do FGTS”. 

Sobre o futuro do FGTS, nossos especialistas divergem, o que, de certa forma, é positivo para que uma discussão sobre o tema seja feita. O economista Paulo Feldmann, da FEA USP, acredita que o “fundo deve continuar e ser modernizado”. Já para o professor de Direito Marcus Orione, “manter esse fundo é um atraso em relação aos modelos mais modernos que existem em outros países”.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.