Febre do WhatsApp pode tornar a vida um inferno

Para Guilherme Wisnik, WhatsApp e mídias sociais nos preenchem de demandas o tempo todo

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn1Print this pageEmail

O professor Guilherme Wisnik se propõe, em sua coluna semanal, a refletir sobre alguns aspectos da vida digital, como, por exemplo, o WhatsApp, cuja popularidade, hoje, é inegável em todos os segmentos sociais e em todas as faixas etárias. Esse aplicativo parece ser – e estar – onipresente em nossas vidas cotidianas, mas também pode se transformar num inferno, justamente por ocupar demasiadamente um tempo que poderia ser empregado para atividades mais produtivas, ou até mesmo para o descanso e para a reflexão.

Wisnik entende que as mídias sociais, com suas mensagens diretas, às vezes cruas, de um modo geral “esfriam” as relações humanas, ao contemplarem  um tipo de relação filtrada, que nem sempre admite contra-argumentos ou refutações, como ocorre num diálogo entre duas pessoas no mundo real e não virtual. As mídias sociais tendem a ser invasivas e, como tal, ensejam uma única reação: deixar o interlocutor virtual sem resposta.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn1Print this pageEmail