Falta de transparência facilita fraude da Lei Rouanet

Professora da Fearp diz que sociedade precisa acompanhar os projetos culturais no Ministério da Cultura

Por - Editorias: Atualidades, Rádio USP
Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

São comuns as notícias de fraude envolvendo prestação de contas com órgãos públicos. No Ministério da Cultura, esse tipo de crime também acontece quando o assunto é Lei Rouanet.

Muito recentemente, o Ministério Público Federal de São Paulo, na ação Boca Livre, denunciou 32 pessoas por desvios de cerca de R$ 21 milhões em recursos públicos que não teriam sido aplicados, conforme determina a lei de incentivos fiscais,  para produção de 250 projetos culturais em todo o Estado.

Foto: Divulgação/Ministério da Cultura

A Operação Boca Livre reúne na mesma investigação o MPF, a Controladoria Geral da União e a Polícia Federal. Os desvios teriam o conhecimento, inclusive, de mais de dez empresas doadoras de recursos e estavam sendo praticados desde 2001 sem que o próprio Ministério da Cultura percebesse.

A facilidade de fraudes como essa tem relação direta com a falta de transparência. É o que explica a especialista no assunto, professora Geciane Porto, da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto (Fearp) da USP.

Para a professora, especialista em Lei Rouanet, o portal do Ministério da Cultura não permite que a sociedade acompanhe todo o processo, desde a inscrição do projeto cultural, sua tramitação e prestação de contas. “Essa falta de transparência permite que ações como fraudes sejam facilitadas”, analisa.

Desde o início do mês, a Rádio USP espera resposta do Ministério da Cultura sobre as denúncias de fraude na Lei Rouanet, mas o órgão não havia se manifestado até a publicação desta reportagem.

 

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados