Falta de governança centralizada dificulta combate a crises de saúde e climática

Segundo Paulo Artaxo, é impossível combater as crises de saúde, climática e de biodiversidade com ações fragmentadas ao redor do globo

 25/11/2020 - Publicado há 11 meses
Foto: 123RF

Na edição de número 100, a revista Estudos Avançados, do Instituto de Estudos Avançados (IEA) da USP, aborda as dificuldades da governança global na gestão da pandemia e da crise climática. Segundo especialista, as crises mundiais de saúde e de biodiversidade estão conectadas e podem causar graves impactos socioeconômicos. A destruição de ecossistemas propicia o espraiamento de vírus e doenças desconhecidas para as quais o mundo precisa estar preparado.

Em entrevista ao Jornal da USP no Ar, o professor Paulo Artaxo, do Instituto de Física (IF) da USP, informa que o mundo passa por três crises simultâneas: de saúde, climática e de biodiversidade. Ambas têm a superexploração dos recursos naturais do planeta como causa comum. A devastação de florestas aumenta o contato humano com animais, o que facilita a transmissão de vírus ainda desconhecidos pela ciência e pode ocasionar novas epidemias. Um fator agravante para crises de saúde, como a de covid-19, é a falta de governança centralizada. Para ele, é impossível combater uma pandemia com ações fragmentadas: “A falta de uma governança global que dirija e coordene as ações é absolutamente fundamental tanto na pandemia de saúde quanto na gestão da crise climática global”.

Na visão de Artaxo, é essencial estabelecer planos de médio e de longo prazo como forma de prevenção a eventuais crises futuras: “É certo que uma nova pandemia vai nos atingir. Talvez possa até ser pior do que esta de covid-19. E os nossos governos aprenderam a lição? Nós vamos investir em ciência para quando a próxima pandemia chegar estejamos prontos para lidar, produzir vacinas e tratamentos mais sofisticados?”. E afirma: “Precisamos de programas de longo prazo e de governos que não pensem só nos próximos quatro anos”.

Para o professor, a utilização de recursos naturais de maneira inteligente e eficiente deveria ser incorporada como estratégia para garantir o futuro do País ao invés de incentivar a ilegalidade e a destruição dos ecossistemas. “A pior coisa que você pode fazer na Amazônia é incentivar a ilegalidade. Isso afronta a Justiça, nossa Constituição Federal e todos os brasileiros. Nós vemos, sem nenhuma punição, o agronegócio simplesmente invadindo terras e se apropriando de propriedades que pertencem a todos nós.”


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.