Falta amparo legal à profissão de atletas olímpicos brasileiros

Profissionalização a partir dos anos 1980 antecipou imigração e intensificou a necessidade de adaptação

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

A pesquisadora do Instituto de Estudos Avançados (IEA) da USP, Dra. Kátia Rubio, integra o programa Ano Sabático em 2017. Sua pesquisa tem como título “A influência dos Deslocamentos Nacionais e da Migração Transnacional na Formação da Identidade de Atletas Olímpicos Brasileiros”.  Ela explica que o estudo formou um banco de dados único sobre todos os 1700 atletas brasileiros que defenderam o país nos Jogos Olímpicos desde a primeira participação do país na competição.

Foto: RicardoBufolin / CBG via Fotos Públicas

A pesquisadora destaca que a adaptação tende a ser mais rápida quando o atleta tem conhecimento sobre os costumes do país para onde se muda. Além disso, verifica-se que as mulheres tendem a sofrer os impactos culturais ligados à condição gênero nesse deslocamento.

O Jornal da USP, uma parceria do Instituto de Estudos Avançados, Faculdade de Medicina e Rádio USP, busca aprofundar temas nacionais e internacionais de maior repercussão e é veiculado de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.

Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados