Exposição explora riqueza cultural de comunidades ribeirinhas

Imagens, textos e depoimentos mostram a realidade da população que vive às margens do rio São Francisco

  • 19
  •  
  •  
  •  
  •  

jorusp

Acontece durante o mês no Instituto de Estudos Avançados (IEA) da USP a exposição O Homem e o Rio: Histórias de Índios e Quilombolas do Baixo São Francisco, que apresenta 15 imagens da Comunidade Indígena de Xokó, do município Porto da Folha e Comunidade Quilombola da Resina, localizada em Brejo Grande, ambas de habitantes das margens do rio São Francisco, em Sergipe. A mostra é organizada pela Grupo de Pesquisa Filosofia, História e Sociologia da Ciência e da Tecnologia, e possui como objetivo a promoção da visibilidade à riqueza cultural das comunidades ribeirinhas.

As fotos fazem parte de um projeto da jornalista Michele Amorim Becker, da Universidade Federal de Sergipe (UFS), que comenta que tudo começou com seu projeto de doutorado sobre a comunicação com as comunidades ribeirinhas sobre os riscos socioambientais na transposição das águas do rio São Francisco em 2012, e foram 6 anos de participação e diálogo com as comunidades caiçaras. A exposição conta também com textos e depoimentos dos moradores das comunidades, visando aproximar o público da realidade em que eles vivem e popularizar a ciência.

O mostra foi aberta com um debate sobre a importância das comunidades tradicionais na conservação do rio, e fica aberta para a visitação até o dia 6 de setembro, no saguão principal do IEA.

Jornal da USP no Ar, uma parceria do Instituto de Estudos Avançados, Faculdade de Medicina e Rádio USP, busca aprofundar temas nacionais e internacionais de maior repercussão e é veiculado de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.

Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93,7, em Ribeirão Preto FM 107,9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular. Você pode ouvir a entrevista completa no player acima.

  • 19
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados