Experimentos frustrados precisam aparecer na literatura científica

Grandes avanços da ciência são tipicamente motivados por estudos que não concordam com conhecimentos anteriores

A necessidade de dar espaço para estudos e experimentos com resultados negativos na literatura científica, como forma de impulsionar novos conhecimentos, é o tema da coluna do professor Paulo Nussenzveig. O físico cita um artigo publicado na revista Nature, em que o pesquisador Devang Metha comenta a repercussão de seu estudo de doutoramento, no qual utilizou uma técnica de edição de genes, chamada CRISPR, para fazer com que uma espécie de planta resistisse a um vírus responsável por uma importante praga. “Além de não levar à imunidade das plantas, seus estudos mostraram que os vírus evoluíam através de mutações e adquiriam resistência ao uso de CRISPR”, afirma. “Ele descreve a dificuldade de publicar seus resultados em revistas científicas, pois, apesar de reconhecerem a validade de seus métodos e a correção de suas análises, rapidamente ficou claro que nenhuma revista queria difundir as conclusões negativas, que mostram algumas limitações da tecnologia CRISPR.”

“A ciência avança lentamente, através de pequenos incrementos a conhecimento bem estabelecido. Grandes avanços, por outro lado, são tipicamente motivados por estudos que não concordam com conhecimentos anteriores”, destaca Nussenzveig. “É a resolução dessas contradições, muitas vezes, que acaba por abrir novos caminhos e forçar a criação de novos conhecimentos.”

De acordo com o físico, num ambiente de pesquisa científica global cada vez mais competitivo, é difícil promover resultados de pequisas “fracassadas”, que não confirmam as expectativas ou não validam os métodos que haviam sido concebidos para combater uma enfermidade, para aumentar a eficiência de consumo de combustível de um motor, ou para implementar alguma política pública, por exemplo. “A prevalência de métodos de avaliação de cientistas baseados em critérios numéricos, como número de publicações e citações por outros autores, tende a reforçar essa tendência de apenas valorizar os resultados positivos, aqueles em que os estudos têm ‘sucesso’, ao confirmar as expectativas dos autores.”

Clique no player acima para ouvir a coluna Ciência e Cientistas.


Ciência e Cientistas
A coluna Ciência e Cientistas, com o professor Paulo Nussenzveig, vai ao ar quinzenalmente toda quarta-feira às 10h50, na Rádio USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e TV USP.

.

.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.