Evolução do processo anestésico marca trajetória de eficácia

Gabriela Rocha Lauretti lembra que bebidas alcoolicas, éter e plantas já serviram como anestésicos em procedimentos cirúrgicos

 28/10/2021 - Publicado há 1 mês
Por
A evolução da anestesia correu muito rápido, junto com a evolução industrial, chegando hoje à anestesia multimodal  Foto: André Boro, HRAC-USP (2019)

 

Existem situações e procedimentos médicos em que a anestesia se faz necessária. No passado, sua aplicação era bem diferente da que conhecemos hoje em dia, em que se apresenta de forma inalatória ou venosa. A primeira pessoa a usar o termo anestesia foi Anazarba, um médico grego, em torno de 80 a 90 anos DC. “Ele servia ao exército romano de Tibério e Nero e escreveu um manuscrito ensinando a usar ópio, mandrágora e vinho”, lembra Gabriela Rocha Lauretti, professora do Departamento de Ortopedia e Anestesiologia da Faculdade de Medicina da USP de Ribeirão Preto. O óxido nitroso, também conhecido como gás hilariante, foi utilizado pelo dentista Horace Wells, em 1844. “A evolução da anestesia correu muito rápido, junto com a evolução industrial”, lembra a professora.  

No Brasil, a primeira anestesia geral foi realizada em um hospital militar do Rio de Janeiro, em 1847, pelo doutor Haddock Lobo. Na época, foi utilizada uma anestesia chamada de unimodal, o éter. O produto era inalado e causava um relaxamento muscular, analgesia e hipnose para realização do procedimento cirúrgico.  

O surgimento e o uso da anestesia venosa estão diretamente relacionados à criação da seringa e da agulha para sua aplicação, por volta de 1600, pelo matemático e físico Blaise Pascal. A cocaína foi o primeiro fármaco usado como anestésico, chamado de “droga mágica”. Ela fez o maior sucesso na década de 1880. Freud usava cocaína para tratar depressão, impotência sexual e muito mais. Mais tarde, o oftalmologista Karl Koller, em 1884, observou que, ao colocar a cocaína diretamente na vista do paciente, ela funcionava como um eficiente anestésico local.

No entanto, foi verificado que ela causava muitos efeitos colaterais, como a dependência e a síndrome de abstinência. A partir daí, as indústrias buscaram outras formas de anestésicos, evoluindo para a anestesia multimodal, em que há um agente específico para cada função, como os hipnóticos, endovenosos, opioides, antiinflamatórios e muitos outros tipos, que se prestam a várias combinações para conseguir o resultado mais efetivo para cada tipo de cirurgia.   


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 

 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.