Estudos do Cepedisa/USP sobre a pandemia da covid-19 são mencionados no relatório final da CPI

“Até a instauração da Comissão Parlamentar de Inquérito, não havia a consciência de que houve uma estratégia intencional de disseminação da covid-19 no Brasil”, afirma Deisy Ventura

 20/10/2021 - Publicado há 2 meses
Senador Renan Calheiros, relator da CPI da Covid, cujo relatório final será lido nesta quarta-feira – Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

 

O relatório final da CPI da Covid, que colheu mais de 50 depoimentos e analisou mais de nove terabytes de documentos ao longo de seis meses, será apresentado e lido pelo relator da comissão, Renan Calheiros, na manhã desta quarta-feira (20). Caso aprovado, os indiciamentos contidos no relatório serão enviados para a Procuradoria-Geral da União, Ministério Público e Tribunal de Contas da União para análise e adoção de medidas cabíveis. A professora do Centro de Estudos e Pesquisas de Direito Sanitário (Cepedisa) da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo e editora do boletim Direitos na Pandemia, Deisy Ventura, comenta as repercussões do relatório final da comissão, que menciona estudos do Cepedisa, ao Jornal da USP no Ar 1° Edição.

Deisy Ventura – Foto: Reprodução/Fapesp

“Até a instauração da Comissão Parlamentar de Inquérito, não havia a consciência de que houve uma estratégia intencional de disseminação da covid-19 no Brasil, que foi construída ao longo dos últimos meses”, explica Deisy, ao destacar a importância do trabalho da CPI ao longo dos últimos meses, com a divulgação de documentos importantes, como a tese do Cepedisa sobre a intencionalidade do governo, para a sociedade e revelações sobre a falta de efetividade do governo no combate à pandemia.

Sobre os crimes apontados pelo relatório, os pontos referentes a homicídio qualificado e genocídio das populações indígenas não foram consensuais entre os senadores da comissão. “Mesmo que não haja uma indicação clara no relatório sobre genocídio, os documentos levantados pela comissão e outros que já existem serão levados, em qualquer caso, ao Tribunal Penal Internacional e quem decide se vai investigar genocídio ou crime de humanidade é a procuradoria do tribunal, não os senadores”, analisa Deisy ao comentar as contribuições da CPI, apesar do último recuo da comissão, evidentemente político, visto que há o encorajamento por parte do governo para o extermínio e invasão dos territórios das populações indígenas.

“Quando se acusa alguém de genocídio, essa pessoa fica inabilitada para o espaço público”, comenta Deisy. Ela lembra que há uma leitura política com o recuo das acusações de genocídio, mas que não compromete a CPI, que “manteve o tema da pandemia na agenda nacional”. Com o relatório, evidencia-se uma pluralidade de atores na disseminação de notícias falsas, na divulgação do ineficaz tratamento precoce e no impotente combate à pandemia pelo governo federal.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.