Estudo investiga arremesso no goalball e a sua influência no gol

As categorias de tempo foram pensadas para ser uma ferramenta útil para treinadores e cientistas esportivos

Nesta edição, o professor Paulo Roberto Santiago fala sobre um trabalho científico do esporte paralímpico goalball, que explica como jogadas mais rápidas aumentam a probabilidade de marcar um gol.

O goalball é praticado por atletas com deficiência visual jogando vendados, garantindo que nenhum dos jogadores tenham vantagem visual, e seu objetivo é fazer o gol entre três jogadores. 

O estudo investigou a influência do tempo da bola, da trajetória e do tipo de bola sobre a probabilidade do gol. Foram observados vídeos de 1.341 arremessos masculinos e 1.304 femininos de 20 partidas aleatórias de jogos paralímpicos, concluindo que em ambos os sexos a redução do tempo da bola está associada a uma maior probabilidade de marcar gol.

Para o professor, o Brasil está entre os melhores no mundo em diversas modalidades, porém, nos jogos paralímpicos o País é promissor, tem muitos títulos e é destaque mundial, em especial no goalball. 

Ouça acima, na íntegra, a coluna Ciência e Esporte.


Ciência e Esporte
A coluna Ciência e Esporte, com o professor Paulo Santiago, vai ao ar toda sexta-feira às 10h00, na Rádio USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e TV USP.

.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.