Estudo discute a tributação dos mais ricos para beneficiar os mais pobres e alavancar economia

Rodrigo Tometo comenta que aumento de 15% da tributação do topo da pirâmide social pode gerar renda de até R$ 500 mensais para famílias de quatro pessoas do grupo dos mais pobres, elevando o PIB no longo prazo

 

Um dos meios de colocar o estudo em prática seria retirar deduções do imposto de renda sobre plano de saúde e educação

Partindo como base de dados a última pesquisa de orçamentos da renda familiar, feita entre 2017 e 2018 e que calcula o consumo no nível individual durante esse período, o Centro de Pesquisa em Macroeconomia das Desigualdades (Made), da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) da USP, divulgou  estudo que discute como a tributação dos estratos sociais mais ricos para a transferência de renda às camadas mais pobres pode servir como instrumento de recuperação da atividade econômica, beneficiando a todos.

Quem explica o estudo ao Jornal da USP no Ar 1ª Edição é Rodrigo Toneto, mestre em Economia pela FEA e pesquisador do Made. Toneto propõe que a alíquota efetiva de imposto de renda dos mais ricos seja elevada para cerca de 15% – hoje, esse valor varia de 2% a 5% -, para assim garantir que um programa distribuísse R$ 125 a todos os brasileiros pertencentes ao grupo dos 30% mais pobres, entregando a uma família de quatro pessoas R$ 500 a partir desse mecanismo de transferência. “Essa mera alocação de um lugar para o outro é capaz de gerar R$ 108 adicionais na economia a cada R$ 100 transferidos e, no longo prazo, isso é chamado de efeito multiplicador”, explica Toneto.

O resultado que o estudo estima é que uma mudança como essa na atual estrutura que a economia brasileira tem poderia implicar num PIB 2,4% maior do que é hoje. Segundo Toneto, um dos meios de colocar o estudo em prática seria retirar deduções do imposto de renda sobre plano de saúde e educação. Um dos objetivos do estudo é justamente ampliar o número de apoiadores de medidas como essa e mostrar que a tributação do 1% mais rico no imposto de renda beneficia todo o resto da economia, “mas, ainda assim, o 1% tem muita voz no debate público, muita capacidade de garantir opiniões fortes em jornais, em articuladores de opinião, então acho que parte da resistência vem por aí”, afirma Toneto.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.