Estudo britânico pode trazer outra perspectiva para tratamento do Alzheimer

Os cientistas apontam como novidade a influência da proteína tau em processos degenerativos da doença

 Publicado: 25/11/2021
O mal de Alzheimer atinge cerca de 44 milhões de pessoas no mundo e há muito tempo desafia a argúcia dos médicos, cientistas e pesquisadores espalhados pelo mundo – Crédito: Malabar filmes

Alzheimer é uma doença que causa deterioração cognitiva e atinge cerca de 44 milhões de pessoas no mundo. Um estudo realizado por cientistas britânicos aponta as causas da patologia, por meio da análise comportamental de proteínas degenerativas como a tau e a beta-amiloide.

O professor Orestes Vicente Forlenza, do Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP), em entrevista ao Jornal da USP no Ar 1ª Edição, explicou as novidades que esse estudo traz para a compreensão do Alzheimer. Diferentemente do que se pensava, “a proteína tau tem uma evolução por si só, ou seja, a partir de um estímulo inicial que possivelmente tenha relação com o acúmulo de amiloide. A própria tau acaba sendo capaz de catalisar e estimular o seu próprio desenvolvimento patológico”, afirma.

“Esse estudo talvez reforce a hipótese de que você consegue impedir o acúmulo de amiloide muito cedo, muito antes dos sintomas. Mas, a partir de um certo ponto, você tem que realmente proteger as células nervosas desse acúmulo de proteína tau”, completa o professor.

Forlenza também destaca que isso pode levar o tratamento de Alzheimer para outra direção, que vá além de focar nas drogas antiamiloide. “Talvez não baste usar uma droga antiamiloide se você não usar também uma droga que modifique e que impeça essa progressão do processo patogênico dependente do aumento de proteína tau anormal no cérebro”, ressalta.

 


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.