Estudo aponta que Neymar é mais eficiente que outros jogadores

A pesquisa analisou jogadores de futebol profissional, amador e também nadadores

Nesta edição da coluna Ciência e Esporte, o professor Paulo Roberto Santiago fala sobre o artigo científico que estudou o cérebro do jogador de futebol Neymar e analisou a eficiência do atleta em realizar movimentos com os pés, em comparação com outros jogadores profissionais e atletas de natação.

Santiago destaca que o estudo contou com três jogadores de futebol profissional amador e dois nadadores e mostrou que a área de ativação do córtex motor do cérebro de Neymar é menos utilizada, ou seja, ele realiza atividades mais difíceis e complexas com menos esforço do que os outros participantes da pesquisa.

O professor conta que esse tipo de estudo “é uma forma de identificar um talento”. Para ele, a neurociência pode ser um caminho para compreender a capacidade de processamento de informações e execução de atividades de maneira simples e, assim, contribuir de alguma forma com o esporte para a revelação de jogadores de futebol de alta categoria.

Ouça acima na íntegra a coluna Ciência e Esporte.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.