Estádio, calendário e boa gestão mudaram a economia do futebol

Tese mostra que novo modelo de administração sustentável do futebol pode recuperar os clubes no Brasil

jorusp

Os clubes de futebol construíram as respectivas matrizes econômicas tendo seus estádios como um fator novo e fundamental para criar essa economia mais sustentável, obtendo certa independência da TV e das receitas aleatórias. Hoje existe a obtenção de um novo modelo de administração sustentável no futebol e, de tal maneira, sendo possível a recuperação para os clubes no Brasil.

Para que esse ambiente ocorra, o futebol brasileiro passou por diversas evoluções. A princípio, o estádio era visto como um local de lazer, sem preocupação com conforto e segurança, mesmo eles obtendo um leve destaque como uma fonte de renda. A Copa do Mundo de 1970 trouxe um novo capítulo com a transmissão  dos jogos na televisão e em escala mundial, viabilizando o — até então — novo veículo de comunicação como uma forma de financiamento. Antes dessa fonte de renda, já havia a receita por venda de jogadores, uma vez que o clube tinha o controle federativo sobre o atleta. Dessa forma, os clubes criaram dependência sobre esses dois meios, principalmente a TV com a extinção da Lei do Passe sobre os jogadores. A mudança na matriz econômica se deu recentemente, com os estádios construídos e reformados, para a Copa do Mundo de 2014, aqui no Brasil.

O Jornal da USP No Ar conversou com José Luiz Portella, engenheiro especializado em Gestão e Orçamento, doutorando da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP em História Econômica, com a tese Governança Econômica dos Clubes de Futebol no Brasil — Economia do Futebol. Portella também foi secretário-executivo do Ministério do Esporte no governo FHC e coordenou e aprovou o Estatuto do Torcedor e a Lei de Responsabilidade Fiscal dos Clubes de Futebol, em 2003. Ele também é colunista do jornal Lance!. Portella afirma que, com o surgimento desses novos espaços mais modernos, a relação do torcedor mudou. “Do torcedor que ia em qualquer lugar, apareceu o torcedor-cliente e a economia de futebol. Um torcedor que vai, desde que se tenha um bom acesso, alimentação, local para estacionar o carro. Os estádios mudaram a relação e fizeram surgir, naturalmente, um ativo que permitia ao clube que, ao invés de ver o estádio como algo que só desse despesa, um item de perda de dinheiro, em um ativo. Em alguns casos, de grande fonte de renda, como é o Palmeiras.”

Contudo, não é só o estádio no “padrão Fifa” que pode ser peça para recuperar o futebol economicamente. Os clubes devem ter, segundo Portella, o ativo financeiro que seja do próprio controle. A economia do futebol, antes rudimentar, hoje é totalmente indispensável. Mas mudanças são necessárias, tanto dos clubes quanto da estrutura do calendário esportivo nacional, que busque um equilíbrio entre os clubes que disputam a competição organizada. O especialista aponta três pontos-chave para um cenário promissor: “O primeiro fator é as pessoas entenderem que a necessidade do ativo é que cria a independência do clube. Depois, para tornar essa fonte cada vez melhor, depende de um ambiente. E o terceiro pilar é o profissionalismo, no sentido da qualidade do dirigente”.

jorusp

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  • 19
  •  
  •  
  •  
  •