Especialistas discutem como prevenir doenças, estimulando a atividade física

Saúde não é ausência de doença. Especialistas discutem sobre o estímulo de atividade física e vida saudável

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn3Print this pageEmail

logo_radiousp790px

logo_radiousp790px

Rádio Usp, programa Dialogos na USPO Os temas da atualidade, com apresentação de Marcello Rollemberg e os convidados Rodrigo Diaz Omos do departamento de clínica médida da FM e Alessandro Nicolai Ré da EACH, especialista em atividades física e promoção da saúde na infância e adolescencia. fotos Cecília Bastos/Usp Imagens
“Diálogos na USP” apresentou o tema Prevenção e saúde. Da direita para a esquerda, os professores Rodrigo Olmos, Alessandro Ré e Marcello Rollemberg, no estúdio da Rádio USP. Fotos Cecília Bastos/USP Imagens

 

.
Estudo publicado em 2015, pela Sociedade Portuguesa de Psicologia da Saúde, afirma que crises financeiras produzem impactos na saúde física e mental das pessoas. Segundo o estudo, alguns efeitos revelam-se a curto prazo enquanto outros só se manifestam depois de algum tempo. A tensão diária causa efeitos desagradáveis como: dores de cabeça e musculares, gastrite, entre outros sintomas. Especialistas afirmam que o desemprego é o maior inimigo dos trabalhadores.

Para tratar deste tema o programa Diálogos na USP desta semana conversou com Rodrigo Diaz Olmos, professor do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina da USP e diretor da Divisão de Clínica Médica do Hospital Universitário, e o professor Alessando Nicolai Ré da Escola de Artes, Ciências e Humanidades, especialista em atividade física e promoção da saúde na infância e adolescência.

Segundo Rodrigo Olmos, o foco dado atualmente para a prevenção acabou se desviando. “A prevenção secundária, como fazer exames, é, no máximo, na melhor das hipóteses, irrisório e caríssimo. A única coisa que adianta para melhorar a qualidade de vida e prevenir doenças é fazer prevenção primária”, ressalta.

Para ele o estímulo à atividade física e vida saudável depende de uma série de coisas, não só da vontade própria das pessoas. “Estimular a utilização do  espaço público para essa finalidade já é um primeiro passo”, avalia Olmos.

Alessandro Ré diz que a prática regular de atividade física envolve uma série de fatores, desde aspectos socioculturais até econômicos. “Muitas vezes dependemos de um acesso a essa prática e um envolvimento com essa atividade desde a infância. Existe um grande número de pesquisas mostrando a forte associação entre as oportunidades oferecidas na infância e sua continuidade”, analisa.

O professor alerta para o uso excessivo de atividades eletroeletrônicas. “A tecnologia faz parte da vida moderna, é importante que as crianças se envolvam, mas não precisa ser tão cedo. As pesquisas tem mostrado que quando o tempo diário começa a ser superior a duas horas pode ser prejudicial”, enfatiza Alessando Ré.

 

Apresentação do programa Diálogos na USP de Marcello Rollemberg, produção Fabio Rubira e trabalhos técnicos de Márcio Ortiz.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn3Print this pageEmail