Especialista comenta queda na procura por outras vacinas durante pandemia do coronavírus

Plano Nacional de Imunização amplia acesso à vacina pneumocócica conjugada 13-valente até julho de 2021 e, de acordo com Marta Heloísa Lopes, pessoas imunodeprimidas, de modo geral, podem ser vacinadas

_Streptococcus pneumoniae, bactéria causadora da pneumonia – Fonte_ Wikimedia Commons

Atualmente, quando falamos a palavra vacina, a primeira enfermidade que nos vem à mente é a covid-19. Apesar desse contexto pandêmico, há também outras vacinas importantes que servem como alternativa para combater a maioria das doenças graves, e um exemplo que pode ser citado aqui é a vacina pneumocócica conjugada 13-valente. Para se ter uma noção, essa vacina consegue prevenir cerca de 90% das doenças graves em crianças, entre elas, pneumonia, meningite, otite, etc.

Mediante a importância dessa vacina, o Plano Nacional de Imunização decidiu ampliar seu acesso, principalmente para uma parte da população que sofre com algum grau de imunodepressão. “A partir de setembro de 2019, essa vacina ficou disponível nos Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais (CRIE) e, nessa ocasião, ela estava disponível para pessoas que tivessem sido transplantadas de órgãos sólidos como rim e fígado, transplante de medula óssea e também para pacientes que tivessem algum tipo de câncer e pessoas vivendo com HIV e Aids”, comenta Marta Heloísa Lopes, responsável pelo Centro de Imunizações do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP.

Entretanto, ela explica em entrevista ao Jornal da USP no Ar 1ª edição que, apesar de ser implementada no Plano Nacional, durante o ano de 2020, a procura por vacinas caiu muito, de modo geral, inclusive a pneumocócica. Devido a esse acontecimento, o montante comprado para essa população específica sobrou e agora, no início de 2021, o Ministério da Saúde resolveu ampliar, temporariamente, até julho de 2021, a indicação dessa vacina. “Foi ampliado para pessoas imunodeprimidas de modo geral, seja a imunodepressão causada por uma doença ou porque estão tomando um remédio imunodepressor.”

A especialista deixa claro que essas vacinas estão disponíveis nos Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais e que as pessoas não precisam se deslocar ao local para ter acesso a elas. Na própria Unidade Básica de Saúde (UBS), o indivíduo que precisar pode pedir uma solicitação e, a partir disso, se essa pessoa se enquadrar em uma das condições citadas acima, será enviada a vacina solicitada para a UBS em questão.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.