Esclerose múltipla atinge jovem adulto e gera preocupação familiar

Neurologista fala sobre a boa reintegração social e adequação personalizada do tratamento

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

jorusp

Ilustração Reprodução BruceBlaus via Wikimedia Commons CC BY-SA 4.0

.

O Jornal da USP no Ar conversou com o professor Dagoberto Callegaro, chefe do Ambulatório de Neurologia do Hospital das Clínicas (HC) da Faculdade de Medicina (FM) da USP, sobre a esclerose múltipla, doença degenerativa e autoimune, ou seja, as células de defesa do organismo atacam o próprio sistema nervoso central, provocando lesões e inflamações no cérebro e na medula. Fadiga crônica e perda de movimentos são alguns dos sinais da doença que atinge 2,5 milhões de pessoas no mundo e 30 mil no Brasil. Outra característica da doença é a sua incidência no jovem adulto, gerando um ambiente familiar de angústia em relação ao futuro do paciente, comenta o doutor Callegaro.

O professor da Faculdade de Medicina ressalva que o diagnóstico da esclerose múltipla é uma etapa importante em todo processo de tratamento. Para o especialista, é possível dividir os paciente em dois grandes grupos: aqueles que apresentam sintomas frustros, como formicação na mão, e aqueles com sintomas bem marcados, como visão dupla ou incontinência urinaria.

A cidade de São Paulo, assim como Brasília, possui toda estrutura para um diagnóstico preciso da doença, esclarece Callegaro. As queixas do paciente, somadas ao exame do Líquido Cefalorraquidiano (LCR) e à ressonância magnética, fornecem os dados necessários para o início do tratamento, que busca reduzir a atividade inflamatória e os surtos ao longo dos anos, contribuindo para a redução do acúmulo de incapacidade durante a vida do paciente. “Há uma boa reintegração do paciente na vida social”, aponta.

“A modulação do tratamento é bastante individual”, explica o professor Callegaro. Uma vez definido o diagnóstico, o médico deverá definir qual medicamento será utilizado. O tratamento, a depender do caso, poderá ser agressivo, bloqueando rapidamente todo processo inflamatório; ou com evolução escalonada para drogas mais eficazes.

O Sistema Único de Saúde (SUS) incorporou a grande maioria dos remédios necessários para o tratamento da esclerose múltipla. Callegaro reforça que São Paulo possui mais de dez centros de referência no combate da doença, e que, devido à sua incidência no jovem adulto, há um esforço generalizado por parte da comunidade científica em melhorar e atualizar os tratamento existentes.

jorusp

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •