Equipamentos a gás precisam de manutenção frequente

Paulo Saldiva alerta que o monóxido de carbono não tem odor e praticamente é imperceptível, o que explica tantos casos de morte

Devido ao frio as pessoas usam mais aquecedores a gás o que tem causado o aumento no número de pessoas que morrem dentro de suas casas pela intoxicação do combustível utilizado pelo equipamento. De acordo com Paulo Saldiva, quando o gás está desregulado começa a produzir outros compostos químicos incluindo o monóxido de carbono que tem uma avidez pela hemoglobina.

O professor explica que em um ambiente fechado se o equipamento estiver produzindo monóxido de carbono vai se ligar à hemoglobina e consequentemente faltará oxigênio para o tecido. “O órgão que mais consome oxigênio é o cérebro, sendo o primeiro a desligar, o que significa sonolência no início e perda da consciência.”

Saldiva aconselha que a chaminé e a ventilação devem estar em locais perto de janelas. Nos dias de frio as pessoas fecham as janelas e neste caso é preciso que a manutenção nos bicos de queima esteja em dia e a exaustão dos gases seja feita apropriadamente. “No comércio existem detectores de monóxido de carbono que apitam em caso de vazamento. Vale lembrar que o monóxido de carbono não tem odor e praticamente é imperceptível”, afirma.

Ouça no player acima a íntegra da coluna Saúde e Meio Ambiente.


Saúde e Meio Ambiente
A coluna Saúde e Meio Ambiente, com o professor Paulo Saldiva, vai ao ar toda segunda-feira às 9h30, na Rádio USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção  do Jornal da USP e TV USP.

.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.