Entenda como se formou o furacão Dorian

Maria Assunção Faus da Silva Dias, professora do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas, explicou as peculiaridades do furacão que devastou as Bahamas

No início deste mês, o furacão Dorian causou grandes estragos às Bahamas. Com ventos de até 300 quilômetros por hora, a tempestade de categoria 5 — a mais alta segundo a escala Saffir-Simpson — também atingiu partes dos EUA, como a Geórgia e a Carolina do Norte, deixando mais de 330 mil residências e empresas sem energia. Nas Bahamas, o estrago foi bem pior: cerca de 70 mil pessoas precisam de comida e abrigo, e o primeiro-ministro Hubert Minnis disse que a tempestade deixou uma devastação geracional no país.

A professora Maria Assunção Faus da Silva Dias, do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG) da USP, explicou como se dá a formação dos furacões e as peculiaridades do furacão Dorian, explicando os principais motivos do seu forte poder destrutivo.

A professora também apontou a importância da ciência para diminuir as mortes e desaparecimentos quando países são atingidos por furacões.

Confira a matéria completa no link acima.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •