Enem 2020 sofre mudanças por causa da pandemia

Ocimar Alavarse, professor da Faculdade de Educação da USP, diz que “prazo para os alunos se prepararem para as provas é insuficiente”

O Ministério da Educação (MEC) e o Inep – Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira definiram novas datas para as provas, que serão aplicadas em janeiro e fevereiro de 2021. O exame deste ano terá um gasto adicional de R$ 70 milhões por causa da pandemia do coronavírus. Pelo novo cronograma as provas impressas serão realizadas nos dias 17 e 24 de janeiro, para 5,7 milhões de inscritos. A prova digital acontece no dia 31 de janeiro e em 7 de fevereiro, para 96 mil inscritos. A reaplicação da prova ocorre nos dias 24 e 25 de fevereiro, para quem for afetado por eventuais problemas de estrutura. O resultado sai a partir do dia 29 de fevereiro.

Para Ocimar Alavarse, professor de graduação e pós-graduação da Faculdade de Educação da USP e coordenador do Grupo de Estudos e Pesquisas em Avaliação Educacional, o Gepave, o problema está nessas novas datas. “Elas não resolvem o grande problema que é o tempo para os alunos se prepararem para as provas. Sendo otimista e começando em setembro, esses alunos teriam pouco tempo para a preparação das provas, especialmente aqueles de escolas públicas que acabam não tendo as melhores condições, mesmo em uma situação normal”, ressalta.

Outra novidade é a prova digital, que será realizada pela primeira vez. O MEC pretende que até 2026 a prova seja somente desse jeito. Se por um lado ela é atrativa, a prova em papel já é tradicional e os estudantes estão acostumados a fazê-la. O professor lembra que são necessários cuidados para garantir a segurança do exame. “Nesse sistema, embora tenha algumas vantagens quanto ao processamento, a prova eletrônica não elimina os cuidados para manter o sigilo, a lisura do processo com relação às fraudes e, sobretudo, na transmissão dos dados. É preciso cautela para não nos iludirmos que essa alternativa contorne os problemas já existentes na prova em papel.”

Buscando garantir a segurança, em virtude do coronavírus, serão alugadas mais salas para dar distância maior entre os alunos; os aplicadores irão usar máscaras e materiais de segurança, haverá álcool em gel disponível a todos e serão utilizados novos protocolos de segurança e identificação para os participantes.

 

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.