Edição genética: como funciona, quais os riscos e benefícios

Segundo a professora Lygia Pereira, técnica pode ser usada em inúmeros casos em benefício da saúde humana

 24/06/2019 - Publicado há 2 anos
Por

Um estudo publicado pela revista Nature Medicine reavivou a polêmica que existe em torno da questão ética sobre a edição genética. O estudo  declarou que pessoas com mutações no gene CCR5, importante para o funcionamento do sistema imunológico nos seres humanos, têm grande possibilidade de morrer jovens.

Essa mutação foi recriada em laboratório, pelo cientista chinês He Jiankui, no DNA dos embriões de duas bebês chamadas de Lulu e Nana. A alteração foi feita para torná-las resistentes ao vírus HIV. Sem a modificação, elas não correriam os riscos apontados pela revista Nature Medicine.

Por conta dessa repercussão, surge uma dúvida: quais são os pontos positivos e negativos em torno da edição genética? A professora Lygia da Veiga Pereira, titular do Laboratório Nacional de Células-Tronco Embrionárias do Instituto de Biociências (IB) da USP, responde a essa questão e explica melhor como funciona o procedimento de edição genética.

Ouça a reportagem no player acima.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.