Economia solidária dá novo significado à vida de ex-dependentes químicos

Segundo Gabriela Zanim, a economia solidária, constituída como um empreendimento coletivo, é capaz de gerar empregos, incluindo pessoas marginalizadas

 26/02/2021 - Publicado há 1 ano
Por
A economia solidária pode ser alternativa eficiente para a inclusão da população excluída do País

Passar pelo processo de reabilitação psicossocial e reinserção social não é tarefa fácil. Os ex-dependentes de álcool e drogas são marginalizados pela família, amigos e sociedade e seu histórico de abuso de álcool e drogas dificulta a busca por emprego. Os empregadores receiam até mesmo serem roubados. Entretanto, pesquisadores da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto (EERP) da USP acreditam no investimento na economia solidária como resposta para a reinserção social dos ex-dependentes químicos.

Constituída como um empreendimento coletivo em que as atividades econômicas, de produção, distribuição e consumo, entre outras, são organizadas no formato de autogestão, a economia solidária, segundo a pesquisadora da EERP, Gabriela Zanim, é capaz de gerar empregos, incluindo pessoas marginalizadas. Nesse tipo de estrutura, afirma Gabriela, esses indivíduos podem exercer diferentes tipos de atividades econômicas – de produção de bens, prestação de serviços, trocas, finanças solidárias, comércio justo e consumo solidário, obtendo lucros gerados que, então, são divididos igualmente entre os indivíduos participantes.

E a pesquisadora faz essas afirmações baseada nos resultados positivos obtidos pelo grupo que acompanhou durante seu último projeto de pesquisa. As novas oportunidades de trabalho surgidas a partir das iniciativas da economia solidária, garante Gabriela, mudaram a vida desses ex-dependentes químicos de forma “muito forte e persistente. Fiquei emocionada quando ouvi um dos participantes dizer que estava trabalhando com artesanato. Era possível sentir orgulho na voz dele quando falou”. 

O estudo de Gabriela foi realizado com o acompanhamento de grupo de pessoas atendidas no Centro de Atenção Psicossocial (CAPS), instituição de saúde comunitária do SUS que trata de indivíduos que sofrem com transtornos mentais. A instituição conta com funcionários treinados para auxiliar ex-dependentes tanto no processo de reabilitação psicossocial quanto no desenvolvimento da economia solidária.

Para que serve a economia solidária

O projeto Álcool, drogas e inclusão social pelo trabalho: Potencialidades e dificuldades de uma prática baseada na economia solidária integra o  trabalho de mestrado de Gabriela Zanim, apresentado em janeiro de 2020 à EERP. O objetivo de sua pesquisa foi provar que, mesmo pouco conhecida e difícil de colocar em prática, a economia solidária pode ser alternativa eficiente para inclusão de população excluída do País.

Antes de ingressar em sua pós-graduação na USP, Gabriela já trabalhava com indivíduos que sofriam com transtornos mentais e, conta a pesquisadora, tinha interesse em estudar mais sobre o assunto. Assim, orientada pela professora Regina Celia Fiorati, da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP, Gabriela diz ter se envolvido com a economia solidária e enxergado as potencialidades desse tipo de economia.

A pesquisadora enxerga o futuro da sociedade, envolvendo a economia, como algo que vai além do acúmulo de lucros, o que a economia solidária é capaz de viabilizar. Garante que o entrave para o desenvolvimento dessa prática econômica deve-se ao seu pouco conhecimento público. Diz que, mesmo com o objetivo de valorizar o ser humano e seu trabalho, as Prefeituras da região de Ribeirão Preto, por exemplo, “falham em promover feiras de economia solidária, onde as pessoas em reabilitação podem mostrar o trabalho e produtos que têm feito”. Segundo ela, a divulgação desses trabalhos devia ser maior, mostrando a recuperação dos indivíduos sociais e sua força de produção econômica e não apenas “buscar o acúmulo de lucros”.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.