Dor crônica pode indicar problemas de saúde mais graves

Dores crônicas afetam em torno de 39% da população brasileira e são uma questão de política pública

 Publicado: 08/09/2022
A dor é um sinal para as áreas de atenção do corpo – Fotomontagem com elementos PXHere – Arte: Jornal da USP

O primeiro Consenso Latino-Americano sobre Dor Crônica reuniu especialistas de 14 países da América Latina, com o objetivo de redefinir e discutir os impactos da saúde da população. A médica fisiatra do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, Lin Tchia Yeng, destaca que a dor é um sinal para as áreas de atenção do corpo. 

Lin Tchia Yeng – Foto: Reprodução/ Linkedin

A dor crônica é um problema comum e impacta de diversas formas a qualidade de vida do paciente. Desde incômodos constantes e problemas no sono, até afastamentos no trabalho, a condição é bastante prejudicial e pode indicar problemas de saúde mais graves. O Consenso Latino-Americano foi pensado de forma a aumentar a discussão sobre a dor na formação de médicos e fisioterapeutas, essencial para a identificação do problema no momento do atendimento: “Então, a gente tem que melhorar essa discussão sobre dor, que é fundamental na área da saúde”, completa a médica Lin. 

Incômodos crônicos têm diferentes causas e são, geralmente, de origem “musculoesqueléticos”, como destaca Lin. Uma porcentagem de pacientes apresenta dores nas costas e de cabeça, sem mencionar dores decorrentes de incômodos operatórios. No entanto, em alguns casos, a dor pode até ser de origem oncológica, proveniente do desenvolvimento de um câncer. Algumas delas podem até ter causa em movimentos repetitivos e rotineiros, e o home office demonstrou isso com o aumento das queixas de dor. 

Diagnóstico e automedicação 

Com o diagnóstico adequado, é possível identificar casos e realizar um tratamento direcionado com os fármacos específicos. Porém, não são todos os remédios disponíveis para dor que são disponibilizados pela “cesta básica do governo”, como os de diabete e hipertensão. Além disso, a médica salienta que algumas dores podem demandar um tratamento por medicação escorado ao suporte emocional, por meio de psicólogos e de terapeutas: “Muitas vezes, as dores pioram com estresse, ansiedade e depressão. Por isso, muitas vezes também precisamos de um psicólogo”, adiciona Lin. 

Lin Yeng chama atenção para a questão envolvendo a automedicação e o autotratamento: “Não é bacana fazer automedicação, porque você pode encobrir um sintoma, que é um importante alerta”. E enfatiza dizendo ser importante esperar por um diagnóstico direcionado de um especialista, que pode demandar um tratamento combinado, antes de tomar uma atitude em relação à dor. 


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.