Síndrome do Odor de Peixe pode prejudicar socialização

Devido ao cheiro desagradável, a doença causa constrangimento e afeta a autoestima de seu portador

Das inúmeras doenças existentes, algumas podem causar incapacidade física, outras certa inaptidão mental e têm aquelas que causam apenas constrangimento social. A Síndrome do Odor de Peixe se encontra nesse último grupo, mas pode causar consequências psicossociais, prejudicando uma maior socialização da pessoa afetada. 

A autoestima é o fator mais acometido. Segundo o professor Fernando Kok, da Faculdade de Medicina e Pesquisador do Centro de Pesquisa sobre o Genoma Humano e Células-Tronco do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo, “a pessoa deve ganhar apelidos, falam que ela não toma banho, que cheira a peixe”, entre outros insultos. No entanto, o próprio professor comenta que essa doença não está relacionada à ausência de banhos, mas sim a um erro metabólico.   

O professor comenta que “não há um especialista em cheiros”, por isso, dermatologistas e gastroenterologistas são procurados quando há uma suspeita e reforça que, apesar de a doença não ter cura, ela tem tratamento.    

Confira acima a matéria completa.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.