Documentário conta a história de São Paulo através de casarão histórico

Giselle Beiguelman e Ilê Sartuzi exploram o Casarão Nhonhô Magalhães, com o uso de Inteligência Artificial, para abordar aspectos históricos do Estado de São Paulo

Por
Carlos Leôncio encomendou em 1930 uma grandiosa construção em Higienópolis, região central de São Paulo, já dominada pela elite paulistana- Foto: Barbara Cassia Martins – Wikipédia

Carlos Leôncio de Magalhães nasceu em 1875, em Araraquara, São Paulo. Apelidado de Nhonhô – de “sinhô” (senhor), forma como os escravos chamavam seus senhores –, Carlos adquiriu sua primeira fazenda aos 16 anos de idade, primeiro passo para que, anos mais tarde, o fazendeiro fosse considerado um dos mais ricos “reis do café”. O cafeicultor e sua família fazem parte da história do Brasil, não só no mercado do café, mas também em estradas ferroviárias e bancos.

Muito embora os negócios estivessem concentrados no interior paulista, Carlos Leôncio encomenda em 1930 uma grandiosa construção em Higienópolis, região central de São Paulo, já dominada pela elite paulistana. O luxuoso Casarão Nhonhô Magalhães abrigou Carlos, sua esposa Ernestina Magalhães e cinco filhos do casal.

Carlos Leôncio de Magalhães, “Nhonhô – Foto: Wikipédia

É sob a perspectiva desse casarão que a professora da Faculdade de Arquitetura da USP Giselle Beiguelman e o artista plástico Ilê Sartuzi contam a história de São Paulo com o documentário Nhonhô. Nas palavras de Giselle, “Nhonhô é um documentário experimental, que faz, que conta, escreve e descreve com imagens e outras linguagens a biografia possível de um casarão, um palacete, em Higienópolis, com aspectos sobre o seu protagonista e, a partir dessa conjunção, procura reunir fragmentos das histórias do Estado de São Paulo e das elites que urbanizaram a cidade homônima”, um documentário retratado através de imagens processadas por Inteligência Artificial e com a técnica chamada de fotogrametria.

Ilê Sartuzi explica que a fotogrametria é feita a partir de centenas de imagens de um objeto (os cômodos da mansão) e, da conjunção dessas imagens bidimensionais, um programa então desenvolve um espaço tridimensional digital. Porém, quando faltam informação e confiabilidade na sobreposição dessas imagens, o programa não consegue desenvolver o espaço, o que gera lacunas no vídeo. “As falhas da fotogrametria são uma coisa que interessava ao projeto aparecer porque, de alguma maneira, também sinalizavam a falta de informação que a gente teve ao longo do processo, do trabalho, as nossas interdições em relação a alguns espaços”, conta Sartuzi. O espaço fragmentado foi composto de três ambientes principais: o exterior da casa, com o vidro do Shopping Pátio Higienópolis, cujo grupo é o atual proprietário do casarão, um teatro no interior da casa e a escada que desce para o subsolo.

Os efeitos sonoros do documentário foram produzidos pelo compositor Gabriel Francisco Lemos, que usou dos recursos eletrônicos para criar o que Sartuzi chama de “trilha eletrizante”. “Ele escreveu alguns algoritmos para trabalhar a cadência desse tom, que também acompanhava os movimentos de câmera, cada virada, subida e descida”, explica o artista plástico. Durante o documentário, não há nenhuma presença humana, nem mesmo voz.  “O texto é lido mentalmente, então é só a trilha, junto com a câmera, que vai dando a tração de movimento do vídeo”, conclui.

O documentário e a pandemia do coronavírus

A falta de informação se deu em grande parte pela dificuldade de acesso a documentos de estudos e aos ambientes da casa. Giselle conta que, “independentemente da pandemia, nós não poderíamos gravar no casarão como um todo, haja vista que o atual proprietário do shopping Higienópolis gostaria de ter a prerrogativa de mostrá-lo por inteiro antes do documentário. A estreia caberia a eles”. Então as lacunas do projeto se transformam em estratégias de criação. “Nesse sentido eu diria que a pandemia é umas das presenças desse documentário sobre tantas ausências como as que nos cotejamos”, afirma ela. Não por acaso, o documentário é entremeado por uma série de blackouts, que são os lugares pelos quais Giselle e Ilê não circularam na casa, dando ao trabalho um aspecto muito simbólico.

“Então, em síntese, o documentário permite refletir não só sobre alguns aspectos da história do Estado e da cidade de São Paulo, os seus processos de patrimonialização, mas também se abre para essas grandes áreas de pesquisa em que tanto eu como o Ilê Sartuzi estamos diretamente envolvidos na nossa produção artística, que, em última instância, é uma produção de pensamento”, conclui a professora Giselle.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.