Disputa comercial entre EUA e China é pelo controle da tecnologia mundial

Glauco Arbix destaca que a disputa está na capacidade de saber transformar o mundo a partir da tecnologia

A guerra comercial entre Estados Unidos e a China, duas potências mundiais que se acusam mutuamente e criaram uma série de sanções entre si, com repercussões, inclusive, no Brasil, é o tema da coluna desta edição. O professor Glauco Arbix explica que a disputa não é apenas comercial e sim por paradigma. São sociedades diferentes, que usam modos diferentes, pensam diferentemente e organizam a economia e a sociedade de forma diferente.

“A disputa de paradigmas envolve a tecnologia que está no centro deste debate. A China procura meios de exercer seu predomínio cultural, econômico e militar. Nas próximas décadas, ela se arma para isso. Ela tem planos bastante pretensiosos voltados para inteligência artificial, biotecnologia, internet das coisas, indústria 4.0, o chamado plano Made in China 2025, enquanto os americanos e europeus estão muito temerosos com a atuação da China”, observa.

Arbix destaca que a disputa está no saber executar as coisas, ter capacidade de transformar o mundo com a economia, ter o controle militar e a capacidade que se baseia no conhecimento e na tecnologia.

Ouça no link acima a íntegra da coluna Observatório da Inovação.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  • 8
  •  
  •  
  •  
  •